Aço retoma rali em Xangai para máxima de 32 meses; minério tem pico de 3 anos

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016 09:37 BRST
 

MANILA (Reuters) - Os contratos futuros do aço no mercado chinês subiram para uma máxima de 32 meses nesta segunda-feira, uma vez que Pequim toma medidas que ajudam a reduzir o excedente, o que levou o preço do minério de ferro para uma máxima de quase três anos.

As duas commodities retomaram seu rali após uma recaída na sexta-feira que se seguiu a um rali de seis dias, também reforçado por sinais de recuperação na segunda maior economia do mundo.

O contrato do vergalhão mais ativo da Bolsa de Futuros de Xangai subiu até 7 por cento, atingindo 3.557 iuanes (514 dólares) a tonelada no limite de alta, seu maior valor desde abril de 2014. O aço fechou com ganhos de 3,6 por cento, a 3.444 iuanes.

O minério de ferro na bolsa de Dalian fechou em alta de 3,4 por cento, a 635,50 iuanes por tonelada, depois de atingir o pico de 657 iuanes, um nível visto pela última vez em janeiro de 2014.

A oferta de aço está se apertando à medida que o governo chinês continua restringindo a produção em alguns setores como o de aço, em sua luta contra a poluição, disseram operadores.

O minério para entrega no porto de Qingdao atingiu 81,66 dólares a tonelada na sexta-feira, de acordo com o Metal Boletim, após ter atingido 82,25 dólares na quarta-feira, o maior valor desde outubro de 2014.

(Por Manolo Serapio Jr)