Justiça prorroga prazo para Vale, Samarco e BHP depositarem R$1,2 bi

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016 10:47 BRST
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Justiça prorrogou por 30 dias o prazo para que seja efetuada a complementação de depósito no valor de 1,2 bilhão de reais pelas mineradoras Vale, Samarco e BHP Billiton, para acautelar futuras medidas reparatórias ao desastre em Mariana (MG), no ano passado.

A informação foi divulgada ao mercado nesta segunda-feira pela Vale, sócia da anglo-australiana BHP na Samarco.

A decisão judicial foi proferida no âmbito de ação civil pública em tramitação na 12ª Vara Federal de Belo Horizonte. A Vale havia informado em 11 de novembro que as empresas teriam 30 dias para efetuar o depósito, prazo este que agora foi postergado.

Naquela oportunidade, a Vale havia informado também que a Justiça deu prazo de 90 dias para as empresas comprovarem o estancamento definitivo dos vazamentos de rejeitos de mineração na região de Mariana.

O rompimento da barragem de Fundão, em novembro do ano passado, provocou a morte de 19 pessoas e causou o pior desastre ambiental do país.

Em meados de novembro, a Justiça Federal aceitou denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal (MPF) contra 22 pessoas e as empresas Samarco, Vale, BHP Billiton e VogBR, no processo sobre o rompimento da barragem de Fundão. Das 22 pessoas denunciadas, 21 são por homicídio com dolo eventual.

A Vale reiterou ainda, nesta segunda-feira, que continuará adotando todas as medidas para assegurar seu direito de defesa dentro dos prazos legais, e manterá o apoio à Samarco para que continuem sendo adotadas as medidas de reparação.

(Por Roberto Samora)

 
Os escombros da escola municipal de Bento Rodrigues, que ficou coberta por lama após o rompimento da barragem da Samarco, uma joint venture entre Vale e BHP Billiton, em Mariana, no Estado de Minas Gerais, Brasil
10/11/2015
REUTERS/Ricardo Moraes/File photo