REPERCUSSÃO-Pacote do governo pode iniciar virada de expectativas, mas há desafios

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016 20:20 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - O governo federal anunciou nesta quinta-feira uma série de ações para tentar estimular a economia, incluindo um programa de regularização tributária e medidas para fomentar a redução do custo do crédito, o que gerou elogios do setor financeiro, embora economistas e industriais ponderem dificuldades. [nL1N1EA1YB]

Veja a seguir comentários do setor financeiro e de economistas:

LUIZ CARLOS TRABUCO CAPPI, PRESIDENTE DO BRADESCO E CONFEDERAÇÃO NACIONAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS (CNF)

"O governo fez bem em encaminhar novas medidas para despertar no país o sentimento de que podemos vencer a crise, sair da recessão e produzir empregos. O seu conjunto demonstra harmonia e pode iniciar a virada das expectativas. A redução dos spreads foi uma questão enfatizada pelo presidente Michel Temer e o ministro (da Fazenda), Henrique Meirelles. É um anseio de toda a sociedade, inclusive de nós, do setor bancário. O ponto central, bastante elogiável, é que a discussão terá um caráter técnico, embasado, com aplicação ao longo do tempo. Apoiamos as medidas e vamos participar de forma ativa para compartilhar as soluções com toda a sociedade. A mensagem fundamental do governo foi a de que este é o lote inicial de medidas de eficiência da economia. Novas soluções serão apontadas ao longo de 2017.”

PAULO CAFFARELLI, PRESIDENTE DO BANCO DO BRASIL

"As medidas aprimoram as relações de consumo no país e fortalecem o ambiente de negócios das empresas. O Banco do Brasil participará ativamente dos debates, junto ao governo e aos demais agentes econômicos, para regulamentar as medidas, com o objetivo de estimular a atividade econômica."   Continuação...