Agência de viagens online Hotel Urbano vê crescimento em 2017 puxado por turismo nacional

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016 17:53 BRST
 

Por Natalia Scalzaretto

SÃO PAULO (Reuters) - A agência de viagens online Hotel Urbano aposta no setor de turismo nacional e prevê crescimento em 2017, após a retomada dos lucros em 2016, disse o fundador e presidente-executivo da companhia brasileira, João Ricardo Mendes.

    Em outubro deste ano, a companhia, fundada em 2011 atingiu equilíbrio financeiro, o chamado "breakeven", e obteve lucro em novembro. O resultado foi obtido após uma mudança na orientação da empresa, que antes estava focada em crescimento acelerado, disse Mendes.

Até setembro de 2016, a companhia contava com investimentos de fundos como Insight Ventures Partners, Tiger Global Management e o grupo Priceline, controlador do rival Booking.com. Atualmente, o Hotel Urbano é controlado pelos fundadores e 16 novos sócios, que são funcionários e diretores da companhia.

    "Na recompra a gente teve uma disciplina bem coesa de tornar a operação lucrativa", disse Mendes, referindo-se à retomada do controle da companhia pelos fundadores em setembro.

Durante as 24 horas da Black Friday, data que vem sendo considerada uma das mais importantes para o calendário do varejo online, a companhia quadruplicou a média de diárias de hoteis vendidas para 18 mil, ante 4,5 mil diárias vendidas por dia em outubro.

Para aproveitar a data, a empresa também ampliou as ações promocionais para todo o mês de novembro e obteve resultado 108 por cento superior ao melhor mês do ano até então. A companhia não divulga números.

A companhia obteve em 2015 faturamento bruto de 560 milhões de reais. A previsão para 2016 é de retração diante da crise no país e valorização do dólar sobre o real ante anos anteriores, o que afetou diretamente as viagens ao exterior. Para 2017, a aposta da Hotel Urbano está no crescimento do turismo interno, bem como no aumento do interesse dos estrangeiros pelo país.

   A competição com grandes empresas de tecnologia do setor, como a Airbnb, não é vista como uma fonte de preocupação que demande necessidade de estratégias de competição específicas por parte da Hotel Urbano. Segundo Mendes, os públicos das duas empresas são distintos.   Continuação...