Chuva desafia colheita precoce da safra recorde de soja no Brasil

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016 13:12 BRST
 

Por Roberto Samora

SÃO PAULO (Reuters) - A safra de soja do Brasil na temporada 2016/17 caminha até o momento para atingir um recorde superior a 100 milhões de toneladas, por condições climáticas favoráveis, mas muitos agricultores que se preparam para ligar as colheitadeiras nos próximos dias têm uma preocupação: chuvas em excesso em janeiro.

Com um plantio acelerado neste ano, um maior volume de soja do país, o principal exportador da oleaginosa do mundo, estará pronto para colheita no próximo mês, em período em que as precipitações tradicionalmente são intensas, especialmente nos Estados do Centro-Oeste, que respondem por quase metade da produção nacional.

Chuvas em excesso na colheita podem prejudicar a qualidade do grão, resultando em descontos nos preços pagos aos produtores, além de acentuar os gargalos logísticos e prejudicar o transporte do produto em estradas rurais.

"Em anos em que se planta muito rápido, a colheita pode pegar mais chuva. A safra está assegurada, em Mato Grosso está pronta. Mas nesses próximos 30 dias será muito grande a pressão sobre máquinas e equipamentos para tentar tirar a soja do campo, porque vem chuva aí", afirmou à Reuters o analista da consultoria AgRural Fernando Muraro.

A Somar Meteorologia afirmou nesta sexta-feira que são esperados entre 30 e 45 milímetros de chuvas nos próximos dias no Sul do país, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, São Paulo e sul de Goiás, e que a distribuição das precipitações permanecerá inalterada até meados da próxima semana.

A partir de quarta-feira, acrescentou a Somar em relatório, "a chuva forte migrará na direção de Minas Gerais, Goiás e Piauí, além de permanecer sobre Mato Grosso, Rondônia, Pará e Tocantins".

"Em janeiro tem chuva o mês inteiro, é isso que preocupa", acrescentou o analista da AgRural, comentando sobre o Mato Grosso, maior produtor brasileiro, que colhe cerca de 30 por cento da soja do país.

Diante do plantio mais rápido neste ano, a consultoria estima que o Mato Grosso poderia colher mais de 7 milhões de toneladas do grão até o final de janeiro, ou até 25 por cento da produção estadual, ante cerca de 2 milhões de toneladas no mesmo período da safra passada.   Continuação...