Petrobras surpreende parte do mercado ao elevar apenas preço do diesel

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017 16:47 BRST
 

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Petrobras surpreendeu parte do mercado ao elevar apenas o preço do diesel nas refinarias nesta sexta-feira, uma vez que alguns analistas calculam que as cotações da gasolina estão abaixo da paridade de importação, o que não estaria de acordo com a atual política da estatal.

A petroleira anunciou na noite de quinta-feira um aumento de 6,1 por cento, em média, do diesel vendido nas refinarias às distribuidoras, marcando o segundo mês consecutivo que o derivado do petróleo tem o valor elevado.

Em metade dos seis relatórios obtidos pela Reuters, nesta quinta-feira, analistas calculam que a gasolina está sendo negociada abaixo da paridade de importação.

Em contrapartida, afirmaram ser positivo o aumento do diesel, principal combustível vendido pela Petrobras no país.

Diego Mendes e André Hachem, analistas do Itaú, afirmaram em documento a clientes que, com o reajuste, o preço do diesel está com um prêmio de 10 por cento ante a paridade de importação, enquanto o preço da gasolina está com desconto de 5 por cento, assumindo custos de importação de 12 dólares/barril.

"A ausência de um aumento de preços para a gasolina foi surpreendente, dado o desconto à paridade internacional, o que sem dúvida exigiria um aumento de preços agora", afirmaram Diego Mendes e André Hachem, analistas do Itaú, em relatório.

Ao anunciar sua nova política de preços de combustíveis, em outubro, a Petrobras afirmou que buscava preservar o nível de participação no mercado e garantir que os preços nunca fiquem abaixo da paridade internacional.

Na avaliação do banco Santander, após o aumento de preço, a Petrobras está vendendo diesel com prêmio de 11 por cento e a gasolina com desconto de 2,7 por cento, em ambos os casos considerando a paridade de preços internacionais e um custo de importação de aproximadamente 10 dólares/barril.   Continuação...

 
Funcionário pinta tanque da Petrobras em Brasília, no Brasil
30/09/2015
REUTERS/Ueslei Marcelino/File Photo