9 de Janeiro de 2017 / às 19:57 / em 9 meses

Rosso lança campanha e diz que reforma da Previdência como está não será aprovada

BRASÍLIA (Reuters) - Ao lançar oficialmente sua campanha à presidência da Câmara nesta segunda-feira, o líder do PSD, Rogério Rosso (DF), colocou as reformas como prioridade de votação na Casa, mas defendeu que a Previdência seja discutida “sem atropelo”, além de afirmar que ela não deve ser aprovada da forma como foi enviada pelo Executivo.

Líder do PSD na Câmara, Rogério Rosso (DF). 13/07/2016. REUTERS/Ueslei Marcelino

“Do jeito que chegou na Câmara, ela não será aprovada... vai sofrer alterações”, disse, durante o lançamento de sua campanha em uma transmissão ao vivo em seu perfil do Facebook, referindo-se à reforma da Previdência.

“Como presidente da Câmara dos Deputados, claro, a reforma da Previdência vai ser colocada... mas, claro, sem atropelo”, ressaltou.

Rosso disse ainda defender que a reformulação das regras previdenciárias seja discutida de forma a chegar em um ponto de equilíbrio que “de um lado acomode as demandas da área econômica, mas de outro lado, principalmente, que promova um texto com justiça social”.

O deputado também citou as reformas trabalhista e tributária como relevantes na agenda da Casa para este ano, além do Código de Mineração como outro tema prioritário.

Sob o lema “Câmara forte, unida e respeitada”, Rosso apresentou como propostas aproximar a Câmara da sociedade, dar mais importância a projetos de iniciativa de parlamentares, e sessões de votações que comecem e terminem mais cedo.

CHAPECOENSE

Vestido com uma camisa do time da Chapecoense, equipe que sofreu um duro golpe quando um avião que levava a equipe caiu na Colômbia, matando 71 pessoas, Rosso sugeriu ainda a apresentação de recursos por meio de emenda parlamentar para a construção de um museu em memória das vítimas.

A eleição para a presidência da Câmara dos Deputados está marcada para o dia 2 de fevereiro. Além de Rosso, devem se candidatar ao posto o atual presidente da Casa, Rodrigo Maia (RJ), o líder do PTB, Jovair Arantes (GO), e André Figueiredo (PDT-CE). Rosso e Jovair integram um grupo político conhecido como centrão, formado por aproximadamente 200 deputados.

O líder do PSD fez questão de frisar que conta com o apoio a sua bancada e de sua sigla, “que no final do ano passado por unanimidade entendeu que o partido deveria sim ter uma candidatura”, reservando um agradecimento especial ao presidente licenciado da legenda, Gilberto Kassab.

Segundo uma fonte que acompanha as articulações sobre a eleição da presidência da Câmara, no entanto, o PSD sinalizou que irá apoiar Rogrigo Maia, assim como o PR e o PP, partidos do centrão.

Diante dos rumores, Rosso, que estava em Recife, decidiu oficializar sua campanha nesta segunda. Também aproveitou para voltar a questionar a candidatura de Maia. Para o líder do PSD e outros adversários de Maia, a Constituição veda a reeleição do presidente em uma mesma Legislatura.

Maia, por sua vez, lançou mão de pareceres para sustentar que não há proibição expressa no texto constitucional para o seu caso, em que assumiu a Câmara em um mandato tampão.

O atual presidente evita colocar-se como candidato e tem dito que vem “amadurecendo” a ideia para oficializar sua decisão.

Nesta segunda, Maia assumiu a Presidência da República interinamente, com a viagem do presidente Michel Temer para Portugal, onde participará do funeral do ex-presidente português Mário Soares.

Reportagem de Maria Carolina Marcello

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below