Eletropaulo vai recalcular indicadores de qualidade de 2016

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017 19:39 BRST
 

(Texto atualizado com comentários da AES Eletropaulo)

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - A distribuidora de energia elétrica AES Eletropaulo (ELPL4.SA: Cotações), que atende a região metropolitana de São Paulo, vai precisar recalcular indicadores sobre a duração e a frequência de interrupções no fornecimento em 2016, segundo carta enviada pela empresa ao regulador do setor vista pela Reuters nesta segunda-feira.

A revisão deve obrigar a empresa controlada pela norte-americana AES (AES.N: Cotações) a pagar compensações adicionais a consumidores, de acordo com o documento, uma vez que a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) exige que as elétricas devolvam valores mensalmente aos clientes caso ultrapassem determinado nível de interrupções no serviço.

Na correspondência à agência, a Eletropaulo alertou que haverá necessidade de ajuste nos dados sobre a duração (DEF) e frequência (FEC) dos problemas no fornecimento e afirmou que os novos dados deverão ser reenviados à Aneel até 10 de fevereiro.

A empresa disse no documento que a revisão será necessária devido a ajustes em dados passados, do período de 2011 a 2015, que elevaram os índices de falhas em relação ao que havia sido informado anteriormente.

"Como consequência de tal reprocessamento, mais especificamente para os anos de 2014 e 2015, houve a redefinição dos limites dos 'dias críticos' dos conjuntos elétricos para o ano de 2016 e, portanto, há que se ajustar os indicadores desse ano (janeiro a dezembro)", afirmou a elétrica à Aneel.

A Eletropaulo prevê calcular entre 9 e 16 de fevereiro as "diferenças de compensação devidas aos consumidores", que seriam pagas até 26 de março, segundo cronograma de ações proposto pela empresa para resolver o problema.

"Tão logo seja concluído o reprocessamento dos indicadores, a AES Eletropaulo... efetuará os pagamentos das diferenças de compensações aos consumidores... garantindo, assim, que não haja qualquer prejuízo aos mesmos pelos reprocessamentos", disse a empresa à Aneel.   Continuação...