CORREÇÃO-Banco Mundial vê crescimento global maior em 2017, com commodities e fim de recessão no Brasil

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017 13:24 BRST
 

(Corrige no 11º parágrafo a projeção de crescimento para a China em 2017 para 6,5%, e não 6,2%, em texto publicado na terça-feira)

Por David Lawder

WASHINGTON (Reuters) - O Banco Mundial afirmou na terça-feira que o crescimento global deve acelerar levemente, já que a recuperação dos preços do petróleo e das commodities alivia as pressões sobre os mercados emergentes exportadores de commodities e as dolorosas recessões no Brasil e na Rússia devem chegar ao fim.

Em seu mais recente relatório de Perspectivas Econômicas Globais, o Banco Mundial disse esperar que o Produto Interno Bruto (PIB) mundial tenha em 2017 um crescimento real de 2,7 por cento, ante 2,3 por cento no ano passado.

O crescimento nas economias avançadas deverá acelerar para 1,8 por cento em 2017, ante 1,6 por cento em 2016, disse o Banco Mundial, enquanto o crescimento das economias emergentes e em desenvolvimento deve subir para 4,2 por cento este ano, ante 3,4 por cento em 2016.

O Banco Mundial projeta que o Brasil voltará a crescer este ano, com uma expansão de 0,5 por cento, contribuindo para um crescimento estimado de 1,2 por cento na América Latina e Caribe.

"Depois de anos de decepcionante crescimento global, estamos encorajados por ver perspectivas econômicas mais fortes no horizonte", disse o presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim, em comunicado. "Agora é a hora de aproveitar esse impulso e aumentar os investimentos na infraestrutura e nas pessoas."

No entanto, há uma incerteza considerável em torno das previsões, que não incorporaram os efeitos de várias propostas de política do presidente eleito dos EUA Donald Trump, que se espera incluam aumento do estímulo fiscal, com reduções de impostos e aumento dos gastos em infraestrutura, e uma postura mais protecionista do comércio internacional.

O Banco Mundial prevê que os EUA devem crescer 2,2 por cento em 2017, contra 1,6 por cento em 2016, mas o aumento poderá ser consideravelmente maior --e causará efeitos muito além das fronteiras dos EUA.   Continuação...

 
Presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim, durante o encontro anual do FMI e do Banco Mundial, em Washington 7/10/2016. REUTERS/James Lawler Duggan