EXCLUSIVO-Renova Energia freia busca por novo sócio após venda de ativo, diz fonte

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017 15:08 BRST
 

Por Guillermo Parra-Bernal

SÃO PAULO (Reuters) - A iminente venda de um parque eólico pela Renova Energia deverá fazer com que a empresa de geração renovável coloque um freio por tempo indeterminado na busca por um novo sócio, disse à Reuters uma fonte com conhecimento direto do assunto nesta quarta-feira.

De acordo com a fonte, a elétrica mineira Cemig, principal acionista da Renova, convocou uma reunião de seu Conselho de Administração para aprovar mais tarde nesta quarta-feira a venda do complexo Alto Sertão II à AES Brasil, unidade local da norte-americana AES Corp, por 700 milhões de reais, e a transação poderá ser anunciada na quinta-feira.

Procurada, a Renova disse que não iria comentar o assunto. A AES Brasil não comentou imediatamente. A Cemig não respondeu imediatamente pedidos de comentário.

A transação, se confirmada, reduz a pressão sobre a Renova, que vinha procurando um novo sócio desde o final de 2015, quando a norte-americana SunEdison anunciou em meio a uma crise financeira que não iria seguir adiante com um plano de compra de ativos e participação acionária na empresa de renováveis brasileira.

Com um plano de investimentos bilionário para os próximos anos, a Renova passou a exigir aportes de capital dos acionistas, ao mesmo tempo em que anunciava a suspensão de projetos e cortes de pessoal para reduzir custos e aportes previstos.

Segundo a fonte, a venda de Alto Sertão II dará à companhia oxigênio suficiente para continuar sem um novo sócio por ora, "uma vez que resolve qualquer preocupação financeira no curto e médio prazo".

Os recursos obtidos com a transação serão utilizados para concluir as obras de uma nova usina que já está em fase final de construção, o complexo Alto Sertão III, com 400 megawatts, segundo a fonte. Parte do dinheiro ainda será utlizada para pagar dívidas a vencer.

A Reuters havia noticiado em junho que a Renova buscava novos parceiros para se juntar a seu bloco de controle. A busca por investidores chegou a atrair o interesse de grandes elétricas internacionais, mas não fechou nenhum acordo.   Continuação...