Protesto de caminhoneiros afeta escoamento da safra de soja de Mato Grosso

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017 18:37 BRST
 

Por Roberto Samora

SÃO PAULO (Reuters) - Protestos de caminhoneiros iniciados nesta sexta-feira afetam o tráfego de caminhões graneleiros em importante região do agronegócio de Mato Grosso, maior produtor de grãos do Brasil, justamente no começo do escoamento de uma supersafra de soja, cuja colheita está apenas começando.

Os manifestantes, que querem obrigar os contratantes de frete a pagarem mais pelo transporte de grãos, impediram a passagem de mais de mil caminhões graneleiros na BR-364, disse à Reuters um dos líderes do Movimento dos Transportadores a Granel, o empresário do setor Gilson Baitaca.

Os bloqueios, que visam apenas veículos carregando produtos agrícolas como soja, milho, farelo e óleo de soja, em Rondonópolis (MT), ocorrem em dois pontos da BR-364, informou a Polícia Rodoviária Federal.

"O contratante estabelece um valor de frete sem negociar, tem caminhão sobrando, então a única forma é fazer essas manifestações", afirmou Baitaca, dizendo que o movimento espera negociar com os contratantes de frete a partir de segunda-feira.

A Abiove, associação que representa as grandes indústrias e tradings multinacionais de soja com atuação Brasil, como ADM e Bunge, afirmou por meio de sua assessoria de imprensas que não vai se manifestar nesta sexta-feira.

A região de Rondonópolis, no sudeste de Mato Grosso, é um importante polo logístico, abrigando um grande terminal ferroviário da Rumo Logística, que liga o Centro-Oeste ao Porto de Santos. Muitos caminhões chegam de diversas regiões do Estado para transbordar o produto no local.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal, um dos pontos de manifestação na BR-364 fica perto da junção com a BR-163, rodovia que corta o Estado e é importantíssima para o transporte de produtos agrícolas.

Não foi possível confirmar o número de veículos parados pelo protesto citado pelo líder do movimento.   Continuação...