Corte maior nos juros básicos ajuda atividade econômica, diz BC

terça-feira, 17 de janeiro de 2017 09:45 BRST
 

Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) - O Banco Central informou que a opção pela redução mais intensa nos juros básicos ajudaria a atividade econômica, conforme ata do Comitê de Política Monetária (Copom) divulgada nesta terça-feira, em meio ao cenário de desinflação mais disseminada.

"Essa decisão contribuiria desde já para o processo de estabilização e posterior retomada da atividade econômica, sem que isso exigisse desvio em relação ao objetivo de levar a inflação para a meta de 4,5 por cento em 2017 e 2018", trouxe o documento.

Na semana passada, o BC surpreendeu ao cortar a Selic em 0,75 ponto percentual, a 13 por cento ao ano, após duas reduções seguidas de 0,25 ponto cada.

A queda da Selic é vista por economistas como uma das únicas ferramentas à disposição do governo para dar impulso à economia em meio ao persistente quadro de desarranjo fiscal.

Ainda assim, a avaliação é que a política monetária perdeu força e vai levar mais tempo para se refletir integralmente na atividade diante do cenário de forte recessão e baixa confiança tanto das famílias quanto das empresas.

Na ata, o BC também defendeu que o corte de 0,75 ponto era compatível com sua comunicação, "que favorece explicitar condicionalidades econômicas sobre a evolução da política monetária, o que melhor transmite a racionalidade econômica que guia as suas decisões".

Após a investida mais agressiva do BC, muitos agentes ajustaram suas previsões para contemplar queda da taxa básica de juros a um único dígito ainda neste ano.

No boletim Focus mais recente, feito semanalmente pelo BC com previsões de uma centena de instituições, a expectativa passou a ser de Selic fechando 2017 a 9,75 por cento, contra 10,25 por cento antes.   Continuação...

 
Sede do Banco Central, em Brasília.     15/09/2016            REUTERS/Adriano Machado