17 de Janeiro de 2017 / às 12:48 / 9 meses atrás

BC poderá sempre fornecer hedge a empresas e usar ferramentas cambiais, diz Ilan

Presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, em Brasília. 15/10/2016 REUTERS/Adriano Machado

BRASÍLIA (Reuters) - O Banco Central poderá sempre fornecer hedge a empresas devido às grandes reservas que possui se os mercados não estiverem funcionando bem e se houver problemas de liquidez, destacou nesta terça-feira o presidente da autoridade monetária, Ilan Goldfajn.

Em apresentação em inglês feita nas reuniões do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, Ilan também afirmou que o BC pode usar suas ferramentas cambiais para evitar volatilidade excessiva ou falta de liquidez dentro do regime de câmbio flutuante, que considera a primeira linha de defesa da economia contra choques externos.

O BC anunciou na noite passada que voltaria a atuar no mercado cambial nesta sessão, com leilões de swaps cambiais tradicionais --equivalentes à venda futura de dólares-- para rolar os contratos que vencem em fevereiro. Com isso, o dólar recuava cerca de 1 por cento sobre o real.

O presidente do BC destacou que a maior parte da dívida corporativa denominada em moeda estrangeira é detida por exportadores, subsidiárias de empresas estrangeiras e/ou já possuem hedge contra a depreciação cambial nos mercados de derivativos.

“Na verdade, apenas 18 por cento dessa dívida não é completamente protegida (representando 3,2 por cento do Produto Interno Bruto)”, disse.

O presidente do BC também lembrou que as reservas internacionais do país ultrapassam os 370 bilhões de dólares --ou 20 por cento do PIB-- e servem como um seguro para distorções do mercado.

JUROS MAIS BAIXOS

Após o BC destacar em ata do Comitê de Política Monetária (Copom) que o corte mais intenso na Selic adotado na semana passada ajuda a atividade, Ilan reforçou que a política monetária não é a única ferramenta na mesa.

“Ela complementa outras políticas do governo e reformas estruturais que estão sendo implementadas”, disse.

“Para além da política monetária, é importante perseverar e aprovar as reformas fiscais, especialmente a reforma da Previdência, bem como outras reformas para impulsionar a produtividade e criar condições para recuperação econômica sustentável, com inflação baixa e estável”, completou.

Sobre os próximos passos do BC, Ilan repetiu que o espaço para afrouxar nos juros foi aberto pela desinflação em curso e pela ancoragem das expectativas.

“Mudanças no novo ritmo e a extensão do ciclo vão continuar dependendo das expectativas e das projeções, assim como dos fatores de risco”, disse.

Por Marcela Ayres

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below