January 19, 2017 / 11:01 PM / 6 months ago

Ternium e Nippon Steel se reúnem em fevereiro para tentar saída para briga na Usiminas

3 Min, DE LEITURA

SÃO PAULO (Reuters) - Os grupos siderúrgicos Ternium e Nippon Steel vão se reunir no início de fevereiro para discutir propostas para solução da disputa que travam desde 2014 pelo comando da Usiminas.

As duas empresas, que integram o grupo de controle da siderúrgica brasileira, porém, divulgaram comunicados nesta quinta-feira em que demonstram pontos de diferença que podem impedir um eventual acordo na reunião pretendida para a primeira quinzena de fevereiro.

A Nippon Steel propõe que o atual presidente-executivo da Usiminas, Rômel Erwin de Souza, assuma a presidência do conselho a partir de maio. A Ternium rejeita essa possibilidade afirmando que o executivo não tem respaldo para ocupar a posição.

No fim de dezembro, a Nippon fez o que chama de "concessão máxima" ao propor à Ternium um regime de alternância de poder em que a presidência-executiva da Usiminas seria ocupada a partir de maio pelo executivo veterano da empresa Sergio Leite, indicado da Ternium. A condição para isso seria a indicação de Souza, indicado da Nippon, para a presidência do conselho.

A Ternium respondeu afirmando que aceitaria a oferta desde que o grupo japonês aceitasse a criação de uma "cláusula de saída" no acordo de acionistas da Usiminas que pudesse permitir a solução do conflitos em situações como a atual, de falta de consenso dos dois grupos.

O mecanismo proposto pela Ternium para esta cláusula de saída seria uma espécie de leilão, em que o grupo que oferecer a maior quantia pela participação do outro fica com ela e o comando da Usiminas.

Nesta semana, o presidente para o Brasil da Nippon Steel, Hironobu Nose, disse que a alternativa proposta pela Ternium, chamada de "roleta russa", cria riscos para a Usiminas uma vez que incentiva ofertas de preço muito acima do atual valor de mercado da empresa, o que faria o grupo vencedor cobrar da Usiminas retorno rápido para o investimento. O executivo comentou ainda que a Nippon Steel não tem qualquer interesse em deixar a Usiminas.

"A Ternium tem total interesse em resolver o conflito na Usiminas", afirmou a empresa em comunicado à imprensa nesta quinta-feira. "Nós já oferecemos uma proposta clara e prática e vamos ouvir na reunião as propostas da Nippon para a cláusula de resolução de conflitos", acrescentou.

Por sua vez, a Nippon respondeu também nesta quinta-feira que "reitera sua oposição à introdução da "cláusula de saída" proposta pela Ternium" e que "quer, antes de tudo, resolver o impasse entre os sócios".

Por Alberto Alerigi Jr.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below