CPFL ganha fôlego para expansão no Brasil com chineses no controle

terça-feira, 24 de janeiro de 2017 12:00 BRST
 

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - A CPFL Energia, maior elétrica privada do Brasil, ganhará fôlego financeiro e acesso a novas tecnologias após a recém-concluída entrada da chinesa State Grid no bloco de controle da companhia, disse à Reuters nesta segunda-feira o presidente da empresa brasileira, André Dorf.

A State Grid pagou 14,2 bilhões de reais pelas ações detidas pela Camargo Corrêa e por fundos na CPFL e mais 3,17 bilhões de reais pela subsidiária CPFL Renováveis, dedicada a energia limpa, mas o negócio poderá envolver valores ainda maiores, uma vez que em breve será realizada uma oferta pelas ações dos minoritários de ambas as empresas.

Os números envolvidos mostram o poder de fogo dos chineses, que poderá inclusive elevar a nota de crédito da CPFL nas próximas captações, segundo Dorf.

"A gente reforça nossas possibilidades de crescimento com a State Grid no bloco de controle... vai ter um conjunto de oportunidades que a companhia poderá explorar daqui para a frente, com um acionista que tem acesso a capital, conhece o setor e tem apetite por crescimento", afirmou o executivo.

A CPFL atua em geração, distribuição e comercialização de eletricidade, além de transmissão, onde tem uma presença mais tímida.

Assim, segundo Dorf, a tendência é que investimentos em transmissão ainda sejam realizados pela State Grid Brasil, enquanto a CPFL focaria principalmente nos outros segmentos, nos quais possui maior força.

Na distribuição, a empresa deverá mirar potenciais aquisições de elétricas próximas às operações atuais da companhia, que atendem municípios de São Paulo, Rio Grande do Sul, Paraná e Minas Gerais.

Embora o governo federal já tenha anunciado que pretende privatizar ainda neste ano seis distribuidoras do grupo estatal Eletrobras, essas empresas não estariam entre as prioridades da CPFL neste momento, por atuarem no Norte e Nordeste.   Continuação...