Hidrelétrica de Santo Antônio ainda exigirá aportes de acionistas, diz Fitch

terça-feira, 24 de janeiro de 2017 13:46 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - A hidrelétrica de Santo Antônio, em Rondônia, deverá exigir aportes adicionais de capital de seus acionistas neste ano e em 2018 para poder cumprir com obrigações financeiras, disse nesta terça-feira a Fitch Ratings, que também rebaixou a avaliação de crédito de debêntures emitidas pela empresa responsável pelo empreendimento.

A Santo Antônio Energia tem como sócios a estatal Furnas, do Grupo Eletrobras, a mineira Cemig e a Odebrecht Energia, além da SAAG Investimentos e do Caixa FIP Amazônia Energia.

A primeira e a segunda séries da terceira emissão de debêntures da companhia tiveram o rating rebaixado para 'CC(bra)', ante 'BB-(bra)'. As captações somaram 700 milhões de reais, com vencimento em 2022 e 2024.

"O rebaixamento dos ratings... reflete a deterioração da qualidade de crédito do acionista/garantidor de perfil de crédito mais fraco", disse a Fitch.

A nova nota da Santo Antônio Energia aponta que a agência avalia como provável uma inadimplência da empresa com algumas obrigações.

A Fitch disse ainda que seus cenários, que não consideram ressarcimentos devidos pelo consórcio construtor da usina aos acionistas, "o projeto permanece necessitando de aportes adicionais de capital em 2017 e 2018 para honrar suas obrigações".

Sem considerar novos aportes dos acionistas, a liquidez disponível da Santo Antônio Energia "é insuficiente para cobrir os déficits de fluxo de caixa", alertou a Fitch.

A agência disse que os ratings da empresa poderão ser elevados se for acertado o ressarcimento do consórcio construtor à Santo Antônio Energia ou se o projeto receber recursos extras para cobrir os déficits de fluxo de caixa no curto prazo.

(Por Luciano Costa)