ENFOQUE-Plano do Brasil para energia solar avança devagar e faz BNDES estudar mudanças

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017 18:58 BRST
 

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - Os planos do Brasil de desenvolver uma indústria local de equipamentos para energia solar e fomentar a construção de usinas deste gênero têm andado em ritmo lento, o que faz com que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) avalie mudanças em um programa que busca atrair para o país fornecedores de equipamentos para o setor.

Desde 2014, quando foi lançada a política brasileira para a energia fotovoltaica, apenas uma grande fábrica de equipamentos foi confirmada no país, pela Canadian Solar.

Nesse período, foram realizados três leilões que contrataram quase 3 gigawatts em usinas fotovoltaicas, mas menos de 20 por cento desses empreendimentos tiveram obras iniciadas até o momento, segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

A maior parte dos investidores contava com financiamentos do BNDES, que só podem ser concedidos para usinas com um nível de conteúdo local pré-estabelecido pelo banco. Com o gargalo na capacidade dos fornecedores nacionais, muitas empresas tentam agora negociar com o governo um cancelamento dos empreendimentos para evitar multas.

"Estava todo mundo esperando o BNDES... agora está todo mundo desesperado com esses projetos... É um mercado dependente do BNDES", afirmou à Reuters o especialista em setor elétrico da consultoria E&Y, João Victor Ferraz.

A superintendente de energia do BNDES, Carla Primavera, disse que o banco tenta atrair mais fornecedores de painéis solares para o Brasil ao mesmo tempo em que estuda mudanças em suas regras de conteúdo local.

Essa regras, válidas desde 2014, previam originalmente um aumento da exigência de nacionalização em 2018 e depois em 2020, mas uma flexibilização está sendo discutida.

"A gente está debatendo o que seria, eventualmente, uma alteração (nas exigências) para o futuro. Levando em consideração, inclusive, que a demanda por energia está em debate", disse Carla Primavera.   Continuação...

 
Homem limpa painéis solares que fornecem energia para máquina de fazer gelo na comunidade de Vila Nova do Amana, no Amazonas 22/09/2015. REUTERS/Bruno Kelly