Queda do dólar e maiores custos levam Fibria ao prejuízo no 4º tri

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017 20:58 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - A maior produção da história e aumentos pontuais de preços não impediram a Fibria de fechar o quarto trimestre com prejuízo, com a companhia enfrentando custos operacionais maiores e os efeitos negativos da valorização do real frente ao dólar.

A maior fabricante de celulose de eucalipto do mundo anunciou nesta segunda-feira que teve prejuízo líquido de 92 milhões de reais no período, ante lucro de 910 milhões de reais no mesmo período de 2015.

O resultado medido pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado somou 804 milhões de reais de outubro a dezembro, queda de 50 por cento ano a ano.

No seu relatório, a Fibria atribuiu esse desempenho aos preços em reais 30 por cento menores, devido à queda do preço da celulose em dólar na comparação anual e à desvalorização do dólar frente ao real.

Operacionalmente, a Fibria vendeu 1,584 milhão de toneladas de celulose, maior volume trimestral de vendas de sua história, alta sequencial de 10 por cento e de 21 por cento ano a ano.

Em relação ao terceiro trimestre, a Fibria teve recuperação da demanda, especialmente da Ásia e promoveu três aumentos de preços para China e um para Europa e América do Norte.

No entanto, a receita líquida caiu 15 por cento sobre um ano antes, para 2,53 bilhões de reais, refletindo menor preço da celulose em dólar de 18 por cento e desvalorização do dólar médio de 14 por cento.

Além disso, o chamado custo caixa de produção subiu 14 por cento sobre o terceiro trimestre (+10 por cento sobre um ano antes), devido a paradas programadas para manutenção, além de gastos maiores com produtos químicos e pessoal.

Por fim, a companhia teve resultado financeiro negativo de 197 milhões de reais no período, pouco mais que o dobro de um ano antes, explicada pelo efeito câmbio e maiores taxas de juros sobre a dívida.   Continuação...