Produção industrial do Brasil fecha 2016 com queda de 6,6%, 3º ano de perdas

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017 10:07 BRST
 

Por Rodrigo Viga Gaier e Camila Moreira

RIO DE JANEIRO/SÃO PAULO (Reuters) - A indústria brasileira fechou 2016 com queda de 6,6 por cento na produção, terceiro ano seguido de perdas diante da fraqueza nos investimentos e da demanda interna frente à recessão no país.

O resultado é o terceiro pior para um ano na série histórica iniciada em 2002, perdendo apenas para 2015, com queda de 8,3 por cento na produção, e para 2009, com recuo de 7,1 por cento.

Só em dezembro, a produção avançou 2,3 por cento sobre o mês anterior, acima da expectativa em pesquisa da Reuters de alta de 2,1 por cento e o melhor resultado para o mês desde 2011 (+2,7 por cento). Mas o resultado não é suficiente para indicar reversão no setor.

De acordo com dados divulgados nesta terça-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na comparação com dezembro de 2015 houve perda de 0,1 por cento, contra expectativa de queda de queda de 0,9 por cento.

"Mesmo com essa melhora em dezembro, está longe ainda de representar uma reversão de tendência. Há questões conjunturais que precisam ser resolvidas para se pensar em reversão de trajetória", afirmou o economista do IBGE André Macedo.

O IBGE apontou que o pior desempenho em 2016 veio da categoria Bens de Capital, uma medida de investimento, que registrou no ano perdas de 11,1 por cento, pressionada principalmente por bens de capital para equipamentos de transporte e para fins industriais.

As perdas foram generalizadas, com a produção de Bens Intermediários recuando 6,3 por cento e a de Bens de Consumo com queda de 5,9 por cento.

As maiores influências negativas no ano passado foram exercidas por indústrias extrativas (-9,4 por cento), coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-8,5 por cento) e veículos automotores, reboques e carrocerias (-11,4 por cento).   Continuação...