Estrategistas veem volatilidade e apostam em ações expostas à queda da Selic em fevereiro

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017 14:18 BRST
 

Por Gabriela Mello

SÃO PAULO (Reuters) - Estratégias para o mercado acionário brasileiro em fevereiro sugerem um tom positivo, com a perspectiva de manutenção de cortes na taxa básica de juro favorecendo papéis mais expostos à Selic, mas há expectativa de maior volatilidade em meio às incertezas relacionadas ao novo governo de Donald Trump e ao ressurgimento de tensões políticas com a retomada dos trabalhos no Congresso Nacional e no Judiciário.

"Fevereiro provavelmente será um mês muito mais volátil que janeiro, mas decidimos manter nosso portfólio exposto à queda da taxa de juros e à recuperação da economia no fim do ano", destacaram os analistas Carlos Sequeira e Bernardo Teixeira, em relatório do BTG Pactual.

Assim como o BTG, a corretora Rico também incluiu em sua estratégia papéis com exposição ao juro, incluindo a BR Malls ON. "Sugerimos compra por perspectiva de incremento de resultado no quarto trimestre e, principalmente, pela expectativa de queda forte da taxa de juros no país em 2017", explicou.

Levando em conta a possível saída de capital estrangeiro, em caso de redução de políticas monetárias expansionistas na Europa e de elevação do juro nos Estados Unidos, a corretora Lerosa optou pela diversificação da carteira, buscando ações "menos expostas" ao cenário macroeconômico desafiador.

Além de empresas de papel e celulose, a Lerosa aposta em companhias de proteínas, dada a possibilidade de abertura de novos mercados e a melhor dinâmica de preços dos grãos.

Veja cinco portfólios de ações recomendadas para fevereiro compilados pela Reuters:

  Continuação...