Leilões do governo do Brasil para apoiar produtores de trigo turbinam exportações

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017 12:55 BRST
 

Por Gustavo Bonato

SÃO PAULO (Reuters) - Antes mesmo de o governo federal realizar mais um leilão de apoio ao mercado de trigo na quarta-feira terá se comprometido a gastar 153 milhões de reais de dezembro até agora para garantir preços mínimos aos produtores rurais, mas terá também comprometido praticamente todo esse dinheiro como subsídio para exportações de centenas de milhares de toneladas do grão, apontaram agentes do mercado e dados oficiais.

Os leilões de subvenção de preços são um mecanismo comum utilizado pelo governo para garantir que agricultores tenham uma receita mínima com sua colheita, em momentos de baixa das cotações, mas podem ser contestados quando acabam tornando o produto de um país competitivo o suficiente para disputar negócios no mercado internacional.

Desde o início de dezembro a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), por ordem do governo federal, realiza uma série de leilões de prêmios conhecidos como PEP e Pepro. Por meio deste sistema, agricultores, cooperativas e empresas disputam uma auxílio financeiro do governo, que cobre a diferença entre o preço de mercado e o valor mínimo estabelecido pelas autoridades.

Atualmente, o preço mínimo regulamentado para o trigo é de 38,65 reais por saca de 60 kg (644,17 reais por tonelada) para produtores da região Sul do país, que concentra a maior parte das lavouras do cereal. Segundo o Cepea, na sexta-feira os negócios com o cereal giravam em torno de 512 reais por tonelada no mercado físico do Rio Grande do Sul.

Dados da Conab mostram que as sete rodadas de leilões realizadas até o momento garantiram apoio aos preços de 824,2 mil toneladas de trigo, com desembolsos previstos de 153,2 milhões de reais pelo governo. Mais um leilão desta temporada está previsto para quarta-feira, com oferta de prêmios para mais 55 mil toneladas.

"A exportação foi a grande demandante destes leilões, sendo que o mercado interno absorveu apenas cerca de 40 mil toneladas", estimou o diretor da consultoria Trigo & Farinhas, Luiz Pacheco.

Os registros de movimentação nos portos mostram que houve exportação de 63 mil toneladas de trigo em dezembro (um navio), pelo menos 275,9 mil toneladas em janeiro (seis navios) e mais 244,2 mil toneladas (sete navios) já nomeadas para fevereiro, segundo dados da Wilson Sons Agência Marítima compilados pela Reuters.

Segundo informação da programação dos navios, o Brasil está exportando trigo para China, Vietnã e Coreia do Sul, entre outros destinos.   Continuação...