Banco Intermedium prevê 1 milhão de clientes em 2018 e já mira IPO

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017 14:12 BRST
 

Por Aluísio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - O Banco Intermedium planeja multiplicar por 10 sua base de clientes para atingir um milhão até o fim de 2018, quando pretende ter adiantado os planos para listagem em bolsa, disse à Reuters o principal executivo do banco mineiro.

Criado há três anos, o banco digital de varejo é parte dos planos da família fundadora da construtora MRV Engenharia de potencializar o banco para ser um braço financeiro da construtora.

O plano agora é fazer do Intermedium um portal de produtos financeiros, oferecendo produtos próprios e de parceiros, como de crédito, seguros e investimentos.

"Vamos ser o primeiro marketplace de finanças do país", disse o presidente do grupo, João Vítor Menin, filho de Rubens Menin, fundador e presidente da MRV.

Os planos vêm na esteira da expansão das empresas de prestação de serviços financeiros com base toda tecnológica, as fintechs, oferecendo custos baixos e agilidade como forma de se contrapor a juros e taxas elevados dos bancos tradicionais.

Segundo Menin, no entanto, o Intermedium tem uma estrutura financeira mais robusta do que das chamadas startups. Criado em 1994, o Intermedium já tem todas as principais autorizações do Banco Central para operar como banco múltiplo.

O Intermedium fechou 2016 com 3,3 bilhões de reais em ativos próprios, 4,8 bilhões de reais em ativos sob gestão e uma carteira de crédito de 2,3 bilhões de reais, da qual empréstimos imobiliários respondem por mais da metade.

Porém, como as fintechs, o banco opera sem agências físicas, o que lhe rende um custo administrativo muito inferior ao dos grandes bancos. Com uma equipe relativamente modesta de 480 funcionários, o Intermedium está chegando à marca de 100 mil correntistas nesta semana, o dobro de cinco meses atrás. A meta é elevar essa base para 350 mil até dezembro e para um milhão no fim de 2018.   Continuação...