Fed está no caminho para elevar juros em uma das próximas reuniões, diz Yellen

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017 13:27 BRST
 

Por Jason Lange e David Lawder

WASHINGTON (Reuters) - O Federal Reserve provavelmente precisará elevar a taxa de juros em uma das próximas reuniões, afirmou nesta terça-feira a chair do banco central norte-americano, Janet Yellen, embora ela tenha indicado incerteza considerável sobre a política econômica com a administração do presidente Donald Trump.

Yellen disse que adiar os aumentos dos juros pode deixar o comitê de política monetária do Fed atrás da curva e eventualmente levá-lo a aumentar os juros rapidamente, o que segundo ela pode causar recessão.

"Esperar muito tempo para remover a política monetária expansionista seria insensato", disse Yellen em declarações preparadas perante o Comitê Bancário do Senado dos EUA, citando as expectativas do banco central de que o mercado de trabalho vai se apertar mais e que a inflação subirá para 2 por cento.

"Em nossas próximas reuniões, o comitê avaliará se o emprego e a inflação continuam a evoluir de acordo com essas expectativas, caso em que um ajuste adicional da taxa de juros provavelmente seria apropriado".

Yellen não disse se as autoridades do Fed esperam que a economia justifique três aumentos dos juros neste ano, conforme sinalizado em dezembro. Tampouco deu indicações sobre se a primeira alta dos juros do ano pode acontecer na próxima reunião, em março, ou no encontro de junho, que é quando a maioria dos analistas espera um aumento.

Yellen apareceu no Congresso pela primeira vez desde que os republicanos assumiram o controle da Casa Branca e acenou para as incertezas sobre a direção da política econômica dos EUA.

"Mudanças na política fiscal ou outras políticas econômicas podem afetar potencialmente as perspectivas econômicas", disse ela. "É muito cedo para saber quais mudanças de políticas serão implementadas ou como seus efeitos econômicos se desenvolverão".

O presidente Donald Trump anunciou uma mudança da regulamentação financeira com poucos detalhes e não há clareza sobre o tamanho e o escopo dos cortes de impostos que prometeu, enquanto possíveis impostos novos sobre as importações e aumento dos gastos com infraestrutura poderiam impulsionar a inflação.   Continuação...

 
Chair do banco central norte-americano, Janet Yellen.    17/11/2016     REUTERS/Gary Cameron/File Photo