Governo aguarda definição de preço final da obra para retomar Transnordestina, diz ministro

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017 16:25 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - A retomada do projeto da ferrovia Transnordestina não deve ocorrer até que a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) valide o preço final da obra, disse nesta quarta-feira ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Maurício Quintella Lessa.

    Segundo ele, a estimativa é de que o custo da obra seja de pelo menos 11,2 bilhões de reais, bem acima dos 7,5 bilhões de reais previstos no contrato anteriormente assinado com a Transnordestina Logística (TSLA), concessionária responsável pela obra, controlada pela CSN.

    "Como o governo vai continuar aportando até 7,5 bilhões de reais sem ter garantia de que a TLSA aportará o restante para conclusão da obra?", questionou o ministro durante evento em São Paulo. 

    Em 25 de janeiro, o Tribunal de Contas da União (TCU) determinou a suspensão dos repasses de recursos públicos à Transnordestina até que a TLSA apresente à ANTT "todos os elementos e projetos, incluindo estudos geotécnicos, solicitados" para validar alterações e o orçamento da obra.

    Após a decisão, o governo se reuniu com a TLSA, que teria proposto aporte de 133,5 milhões de reais pela CSN e 133,5 milhões de reais pela estatal Valec durante 2017. "Acatamos a proposta da TLSA e o fundamental agora é que ela vença a resistência do TCU", disse o ministro.

    De acordo com Quintella, o total a ser investido na ferrovia este ano pode chegar a quase 600 milhões de reais, considerando os 152,7 milhões do Fundo de Investimentos do Nordeste (Finor) integralizados ao capital da concessionária e outros 150 milhões de reais já apurados que a TLSA teria direito. Para os próximos anos, afirmou o ministro, a negociação está andamento, mas é fundamental que a TLSA comprove "real viabilidade de aporte".

   

    AEROPORTOS

    Questionado sobre o leilão dos aeroportos de Fortaleza (CE), Salvador (BA), Florianópolis (SC) e Porto Alegre, marcado para 16 de março, o ministro reiterou que o governo espera arrecadar pelo menos 3 bilhões de reais em investimentos.   Continuação...