Dólar fecha em alta e interrompe sequência de quedas, após bater nível de R$3,03

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017 18:06 BRST
 

Por Claudia Violante

SÃO PAULO (Reuters) - Após cair à casa de 3,03 reais e atrair compradores, o dólar acabou fechando em alta nesta quinta-feira, interrompendo dois dias seguidos de queda que o levaram ao menor nível em mais de um ano e meio por conta de expectativas de entrada de recursos externos no país.

O dólar avançou 0,56 por cento, a 3,0841 reais na venda, depois de bater 3,0390 reais na mínima do dia, menor patamar intradia desde 18 de junho de 2015 (3,0292 reais).

No acumulado dos dois pregões anteriores, o dólar havia recuado 1,39 por cento. O dólar futuro subia cerca de 0,80 por cento no final desta tarde.

"O dólar ficou barato, o importador comprou e as tesourarias bancárias recompuseram um pouco de suas posições", disse o diretor da Correparti Corretora Jefferson Rugik.

Apesar dessa correção pontual, a trajetória da moeda norte-americana segue de baixa, segundo operadores, com expectativas de entrada de recursos vindos do exterior devido, entre outros, às recentes captações feitas por empresas no Brasil.

"O Brasil segue surfando numa onda favorável. O dólar ganhou mais um reforço para sua trajetória de baixa com a aprovação da repatriação, mas a queda a partir de agora, com esse patamar, deve ser mais contida", acrescentou um profissional sênior da mesa de câmbio de uma corretora nacional.

Na noite passada, a Câmara dos Deputados aprovou o projeto para nova rodada de regularização de ativos mantidos ilegalmente no exterior, a chamada repatriação, programa que rendeu mais de 45 bilhões de reais ao governo no ano passado. Para essa nova fase, existem expectativas de que mais 20 bilhões a 30 bilhões de reais possam ser levantados.

A matéria, no entanto, volta agora ao Senado, por conta das modificações feitas, já que o projeto original é daquela Casa, e deve ser votada na próxima semana.   Continuação...

 
Pacote de notas de cinco dólares dos Estados Unidos passa por inspeção em Washington, nos Estados Unidos
26/03/2015
REUTERS/Gary Cameron/File Photo