Engie vê momento certo para vender usinas a carvão no Brasil e prospecta interessados

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017 13:37 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - A empresa elétrica francesa Engie decidiu colocar à venda duas grandes usinas a carvão no Brasil, uma já em operação e outra com obras em andamento, em meio a decisão estratégica mundial da empresa de "descarbonizar" suas atividades em geração.

A Engie disse, em nota enviada à Reuters, que focará os negócios no Brasil em geração por fontes renováveis e de baixa emissão de carbono. Mas ainda atuará em infraestrutura de gás e também buscará expansão em serviços, "como eficiência energética, mobilidade urbana, iluminação e segurança".

A empresa ainda não estimou um prazo para a venda das duas usinas a carvão.

"Não existe um cronograma...No Brasil, a Engie entendeu que este é o momento adequado para esse processo de sondagem de mercado para identificação de potenciais compradores", disse a empresa à Reuters nesta sexta-feira.

A Engie anunciou na terça-feira a contratação do banco Morgan Stanley para prestar assessoria financeira em uma sondagem do mercado quanto à possibilidade de venda do complexo termelétrico Jorge Lacerda, de 857 megawatts, e da térmica Pampa Sul, que terá 340 megawatts quando estiver concluída, no final de 2018.

"Acreditamos que os dois ativos são complementares e constituem uma excelente plataforma de geração térmica no Brasil. A intenção é vender ambas usinas, mas a Engie pode avaliar soluções alternativas", disse a empresa, ressaltando que está em fase de prospecção de interessados.

A companhia também garantiu que a usina Pampa Sul está com obras em dia e seguirá com a construção em ritmo normal, apesar desse processo de sondagem.

A Engie é uma das maiores geradoras de energia do Brasil e opera usinas que somam 12 gigawatts em capacidade instalada, ou quase 5 por cento da capacidade do país, segundo informações do site da empresa.

(Por Luciano Costa)