Cosan segue com visão positiva sobre preços de açúcar e etanol em 2017/18

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017 15:08 BRST
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A empresa brasileira de energia e infraestrutura Cosan mantém uma visão positiva em relação aos preços de açúcar e etanol na temporada 2017/18, diante de safras abaixo das expectativas e da capacidade de produção praticamente estagnada.

A diretora de Relações com Investidores da companhia, Paula Kovarsky, afirmou nesta sexta-feira que a produção de outros grandes países produtores acabou sendo menor do que o esperado pelo mercado, corrigindo as quedas de preços observadas no fim do ano passado.

Ela frisou ainda que não vê nenhum crescimento de capacidade que justifique uma expectativa de menores preços.

"O mercado parece estar um pouco mais otimista sobre a safra brasileira, mas na nossa visão não há nenhuma mudança estrutural de cenário comparada com o que viemos falando aqui nos últimos trimestres", disse Paula, durante uma teleconferência com analistas de mercado sobre os resultados da empresa.

A executiva reforçou a expectativa de que o mercado não verá picos de preços tão frequentes, ainda que as cotações devam continuar em patamares relativamente elevados.

"Talvez a gente não veja o açúcar por 30 cents por libra-peso, mas eventualmente (vamos viver) um ciclo mais longo de preços mais altos, porque não tem nada estrutural na mesa para crescimento de capacidade", afirmou.

O açúcar bruto é negociado em Nova York em torno de 20 centavos de dólar por libra-peso.

Na véspera, a Cosan indicou que a moagem da sua joint venture com a Shell, a Raízen, poderá crescer na temporada 2017/18 para até 63 milhões de toneladas de cana, em uma estimativa preliminar.

Na expectativa mais baixa para 17/18, a Cosan vê a moagem da Raízen em 59 milhões de toneladas.   Continuação...