ENFOQUE-Brasil amplia refino de óleo nacional com pré-sal e ganha mercados com exportações

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017 19:39 BRST
 

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O crescimento da produção de petróleo no pré-sal brasileiro, mais leve do que a média do Brasil, permitiu à Petrobras, monopolista no refino no país, aumentar o uso do óleo nacional em suas refinarias para mais de 90 por cento, reduzindo seus custos operacionais e logísticos.

Ao mesmo tempo, o produto do pré-sal tem ajudado na redução da importação de petróleo mais leve, de maior aproveitamento nas refinarias.

Não bastasse isso, disse com exclusividade à Reuters um executivo da Petrobras, o pré-sal está impulsionando as exportações de óleo cru do Brasil, que foram recordes em janeiro, em um ambiente de retração do consumo de derivados no país, que sofre com uma recessão.

"As propriedades do petróleo do pré-sal facilitam tanto o seu aproveitamento nas refinarias da Petrobras no Brasil quanto a exportação, pois esses petróleos costumam ter um maior valor comercial", disse o gerente-executivo de Logística de Refino e Gás Natural da Petrobras, Cláudio Mastella.

Com o avanço da produção pré-sal no Brasil para 1,262 milhão barris de petróleo por dia (bpd) em dezembro, ou o equivalente a 46 por cento da produção nacional, ante cerca de 34 por cento um ano atrás, o petróleo nacional é suficiente para atender "em grande parte" o mercado de derivados brasileiro, ressaltou o gerente-executivo da Petrobras.

"Um exemplo disso é que o percentual de participação de óleo nacional no total processado pela Petrobras era 82 por cento em 2012 e já estava em 91 por cento no acumulado até setembro de 2016", destacou Mastella, sem detalhar números fechados do ano passado ou comparativos com 2015, em uma entrevista por e-mail.

Mas dados do regulador do mercado de petróleo brasileiro (ANP) confirmam, com base no tamanho da produção de óleo leve, o salto ocorrido no refino do produto nacional nas unidades da Petrobras.

Em dezembro de 2016, 32 por cento da produção brasileira foi de um petróleo considerado leve, contra 7 por cento um ano antes, sob influência da extração do pré-sal, que garante um produto com menor concentração de enxofre e menor acidez, proporcionando maior rendimento de derivados de maior valor agregado, como gasolina, diesel e querosene de aviação.   Continuação...

 
Visão aérea da fase final da construção de plataforma da Petrobras em Angra dos Reis
24/02/2011
REUTERS/Sergio Moraes