Usina Santo Antônio vê geração recorde e espera encerrar discussão sobre eficiência

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017 16:48 BRT
 

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - A hidrelétrica de Santo Antônio, uma das maiores do Brasil, superou dificuldades iniciais e hoje está entre as mais eficientes do país, o que pode encerrar em breve uma longa discussão judicial sobre o desempenho da usina, disse um executivo da companhia à Reuters.

A usina em Rondônia tem sido alvo de um forte embate no setor elétrico porque não conseguiu cumprir exigências quanto ao nível de disponibilidade de suas turbinas entre 2012 e 2014, período em que as máquinas estavam sendo gradualmente colocadas em operação.

O problema gerou uma conta de mais de 400 milhões de reais para a Santo Antônio Energia, que conseguiu proteção na Justiça contra as perdas e recorreu à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

A Aneel aceitou no final de 2016 rever os cálculos da indisponibilidade da usina nos últimos anos e expurgar da conta momentos em que as turbinas tiveram paradas forçadas, como em cheias excepcionais no rio Madeira, o que a Santo Antônio Energia entende que irá reduzir substancialmente ou até zerar a conta milionária que hoje é alvo de briga judicial.

"Este equívoco na apuração do FID (fator de indisponibilidade) foi finalmente corrigido por decisão judicial e, mais recentemente, ratificado em decisão administrativa da Aneel", disse o diretor comercial e regulatório da Santo Antônio Energia, Ricardo Barbi Costa.

O recálculo também é importante porque o índice de disponibilidade da usina é estimado com base em números médios dos últimos cinco anos, o que faz com que o desempenho passado pese sobre o presente.

Costa disse que a usina apresenta disponibilidade recorde desde que passou a ter todas as 50 turbinas em operação.

"Mesmo com restrição hídrica severa, com as menores vazões no histórico para esta época, temos atingido níveis de geração acima da garantia física da usina", disse o executivo, mostrando dados de 2016 e 2017.   Continuação...