Bovespa cai com pressão de commodities e cautela política; balanços seguem no radar

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017 11:11 BRT
 

Por Flavia Bohone

SÃO PAULO (Reuters) - O principal índice da bolsa paulista operava em baixa nesta sexta-feira, com a queda em commodities e a cautela política guiando o movimento de ajuste na última sessão de fevereiro e antes do feriado de Carnaval.

O noticiário corporativo, em meio a divulgação de balanços, concentrava a atenção dos investidores.

Às 11:10, o Ibovespa caía 0,91 por cento, a 66.844 pontos. O giro financeiro era de 1,06 bilhão de reais.

O ruído político ganhou força com notícias envolvendo o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha. De acordo com o jornal Folha de S.Paulo, o empresário José Yunes, que é amigo de Temer e foi seu assessor especial até o ano passado, disse a interlocutores que recebeu um pacote em seu escritório a pedido de Padilha.

Yunes deixou o cargo de assessor especial do presidente Michel Temer depois de ser citado na delação premiada de Cláudio Melo Filho, ex-diretor de relações institucionais da Odebrecht, na Lava Jato como tendo recebido em seu escritório, em dinheiro vivo, parte de repasse de 10 milhões de reais que teriam sido solicitados por Temer ao então presidente da empreiteira, Marcelo Odebrecht.

As preocupações envolvendo o núcleo do governo ganham força um dia após notícias de ruptura dentro do PMDB. Na quinta-feira, o vice-presidente da Câmara, o deputado Fábio Ramalho (MG) declarou que iria "romper" com o governo após a informação de que o deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR) seria anunciado como novo ministro da Justiça.

"Temer precisará melhorar a sua articulação dentro do próprio PMDB, visando à aprovação de reformas à frente, após espécie de racha do PMDB de Minas Gerais", escreveram analistas da corretora Guide Investimentos em nota a clientes.

  Continuação...