Siemens e Gamesa devem ter aval da UE para fusão em energia eólica, dizem fontes

quinta-feira, 2 de março de 2017 13:24 BRT
 

BRUXELAS (Reuters) - A companhia de engenharia alemã Siemens e a espanhola Gamesa devem obter aprovação incondicional de autoridades antitruste da União Europeia para criar o que seria a maior produtora global de turbinas eólicas, disseram duas fontes com conhecimento do assunto nesta quinta-feira.

As empresas anunciaram o negócio em junho, em meio a uma recente onda de consolidação na indústria de energia eólica conforme as empresas buscam cortar custos e seguir competitivas.

A companhia fruto da fusão, com um valor de mercado de 10 bilhões de euros, combinará a o peso da Siemens na energia eólica offshore, em alto-mar, com a forte presença da Gamesa em mercados emergentes como Índia, México e Brasil.

A empresa ultrapassaria dinamarquesa Vestas como líder em participação de mercado. Outros nomes do setor incluem a norte-americana GE, a alemã Enercon e a Nordex, além de chinesas.

Pelo negócio, a Siemens pagará 1 bilhão de euros em dinheiro aos acionistas da Gamesa para ficar com 59 por cento da nova companhia.

Houve especulações no mercado de que a Comissão Europeia poderia demandar concessões para aprovar o acordo, mas as companhias conseguiram convencer o regulador de que o negócio não afetará a competição, disse uma das fontes.

A Comissão deve anunciar sua decisão em 13 de março.

Um porta-voz da Comissão Europeia e a Gamesa não quiseram comentar. A Siemens disse que não comenta rumores de mercado e especulações.

(Por Foo Yun Chee; reportagem adicional de Jens Heck em Frankfurt e Jose Elías Rodríguez em Madri)