3 de Março de 2017 / às 19:18 / 6 meses atrás

Depois de saltar a R$3,15, dólar cai mais de 1% com movimento de correção

SÃO PAULO (Reuters) - Depois de saltar quase 2 por cento na véspera e ir ao patamar de 3,15 reais, o dólar tinha forte queda e passava por movimento de correção nesta sexta-feira, intensificado pela sinalização da chair do Federal Reserve, Janet Yellen, de que a taxa de juros dos Estados Unidos deve subir já neste mês, em linha com o esperado pelo mercado.

Às 16:09, o dólar recuava 1,22 por cento, a 3,1128 reais na venda, após subir 1,88 por cento, para 3,1513 reais, na vépera.

O dólar futuro cedia cerca de 1,40 por cento.

"Yellen confirmou que a porta está aberta para o aumento dos juros neste mês, mas ela condicionou esse movimento à evolução dos indicadores econômicos", afirmou o operador da corretora H.Commcor, Cleber Alessie Machado.

O Fed deve elevar a taxa de juros neste mês desde que os dados sobre emprego e inflação justificarem a decisão, afirmou mais cedo a chair do banco central norte-americano, em declarações que pavimentam provável alta em sua próxima reunião.

Vários outros membros do Fed também ajudaram a firmar as apostas de alta dos juros na reunião do Fed de 14 e 15 de março.

Mais juros tendem a atrair para a maior economia do mundo recursos aplicados em outras praças, como a brasileira.

"Agora, o mercado vai colocar suas cartas nos dados de emprego que saem na próxima semana", emendou Machado, referindo-se aos dados sobre criação de vagas de trabalho no próximo dia 10.

Nesta sessão, as apostas dos mercados indicavam 80 por cento de chances de o Fed elevar os juros neste mês, mostrava a ferramenta FedWatch do CME Group.

No exterior, o dólar caía ante uma cesta de moedas, em meio a um movimento de realização de lucros após a fala da chair do Fed. O dólar caía também ante divisas de emergentes, como o rand sul-africano e a lira turca.

Apesar do movimento de queda do dólar nesta sessão, a cena política brasileira continuava no radar do mercado após vazamentos de delações de executivos da Odebrecht, citando importantes políticos. O temor, entre outros, era de que o governo do presidente Michel Temer perca força e não consiga aprovar importantes reformas no Congresso, sobretudo a da Previdência.

Nesta semana, o empresário Marcelo Odebrecht depôs à Justiça Eleitoral e confirmou um jantar com Temer no qual foi tratado de contribuições para a campanha do então vice-presidente. Ele, entretanto, disse que o tema foi tratado "de forma genérica" e não houve pedido de doação direto feito pelo presidente.

O Tribunal Superior Eleitoral analisa um pedido de cassação da chapa Dilma-Temer na eleição presidencial de 2014.

O Banco Central brasileiro não anunciou qualquer intervenção no mercado cambial, por enquanto, para essa sessão. Em abril, vencem o equivalente à 9,711 bilhões de dólares em swaps tradicionais, equivalente à venda futura de dólares, e operadores se questionavam se o BC rolará, mesmo que parcialmente, esses contratos.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below