Criação de vagas nos EUA tem forte alta em fevereiro e salários continuam a avançar

sexta-feira, 10 de março de 2017 12:16 BRT
 

WASHINGTON (Reuters) - A criação de vagas de emprego nos Estados Unidos aumentou mais do que o esperado em fevereiro e os salários aumentaram de forma constante, o que dá ao Federal Reserve, banco central norte-americano, a luz verde para elevar os juros na próxima semana apesar da desaceleração do crescimento econômico.

A criação de vagas for a do setor agrícola atingiu a marca de 235 mil postos de trabalho no mês passado, com o setor de construção registrando o maior ganho em quase 10 anos devido ao clima quente atípico, informou o Departamento do Trabalho nesta sexta-feira.

A economia criou 9 mil postos de trabalho a mais em dezembro e janeiro do que o relatado anteriormente.

A chair do Fed, Janet Yellen, sinalizou na semana passada que o banco central dos EUA deve elevar os juros na reunião de política monetária de 14 e 15 de março. A criação média de emprego foi de 209 mil postos por mês nos últimos três meses.

A economia precisa criar cerca de 100 mil empregos por mês para acompanhar o crescimento da população em idade de trabalhar.

A forte criação de vagas no mês passado foi acompanhada por um crescimento salarial estável, com o ganho médio por hora subindo 0,2 por cento. O crescimento salarial de janeiro foi revisado para 0,2 por cento, ante alta de 0,1 por cento relatado antes.

Isso impulsionou o crescimento dos salários para 2,8 por cento na comparação anual, de 2,6 por cento em janeiro.

A taxa de desemprego caiu 0,1 ponto percentual, para 4,7 por cento, mesmo com mais pessoas entrando no mercado de trabalho incentivadas pela intensificação das contratações. Economistas consultados pela Reuters projetavam que a criação de vagas seria de 190 mil vagas no mês passado.

A alta da inflação junto com um mercado de trabalho mais apertado, o boom dos mercados acionários e o fortalecimento da economia global fizeram com que alguns economistas projetassem que o Fed eleve os juros muito mais rápido do que atualmente esperado pelos mercados financeiros.   Continuação...

 
Trabalhador da construção civil em obra de edifício em Los Angeles. 06/03/2017 REUTERS/Mike Blake