Unica prevê fechar safra 2016/17 com 605 mi t de cana processada

sexta-feira, 10 de março de 2017 15:25 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A moagem de cana do centro-sul do Brasil deve começar a acelerar em março, já em preparação para o início oficial da nova safra, em 1º de abril, e permitir que a temporada 2016/17 termine com um volume processado de 605 milhões de toneladas, estimou nesta sexta-feira a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica).

A Unica registrou um processamento de 1 milhão de toneladas na segunda quinzena de fevereiro, atingindo um acumulado nos 11 primeiros meses da temporada de 595,8 milhões de toneladas. Para atingir a previsão, a moagem média das duas quinzenas de março deveria ser de aproximadamente 4,6 milhões de toneladas.

"Para a primeira quinzena de março o volume processado de cana deve sofrer influências de condições climáticas adversas a colheita, mas nos 15 dias finais do mês, indica um clima mais favorável mantendo a previsão de que a moagem final atinja 605 milhões de toneladas", disse a Unica, em um relatório.

No início da temporada, em abril de 2016, a Unica projetou moagem no intervalo de 605 milhões a 630 milhões de toneladas. Posteriormente, em novembro, chegou a dizer que o volume ficaria abaixo do limite inferior da previsão, devido a um clima menos favorável aos canaviais.

Na temporada entre abril de 2015 e março de 2016, o centro-sul produziu 617,7 milhões de toneladas de cana, maior volume da história.

Os primeiros meses do ano são de entressafra no centro-sul, devido ao clima mais chuvoso, que impede a moagem e por manutenção de maquinário. Mas algumas usinas já começam a reativar as equipes no mês de março.

A Unica registrou 11 usinas em atividade no centro-sul na segunda metade de fevereiro, sendo que três unidades estavam retomando atividades.

"Para próxima quinzena (primeira de março), a perspectiva é de que mais 35 usinas retomem o processamento", disse a entidade, em seu relatório.

  Continuação...

 
Colheitadeira corta cana-de-açúcar em campo na propriedade do Grupo Moreno em Ribeirão Preto, no Estado de São Paulo
15/09/2016
REUTERS/Nacho Doce