14 de Março de 2017 / às 20:10 / 5 meses atrás

Dólar sobe e encosta em R$3,17, atento à cena política e à espera do Fed

Pacote de notas de cinco dólares dos Estados Unidos 26/03/2015Gary Cameron/File Photo

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou a terça-feira em alta, encostando no patamar de 3,17 reais, com os investidores à espera do encontro de política monetária do Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, quando se espera que as taxas de juros do país sejam elevadas.

Do lado doméstico, predominou a expectativa pela lista que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deve entregar nesta semana ao Supremo Tribunal Federal (STF) com pedidos de abertura de inquéritos para investigar políticos citados em depoimentos de delatores da Odebrecht.

O dólar avançou 0,54 por cento, a 3,1693 reais na venda, depois bater 3,1828 reais na máxima do dia. O dólar futuro tinha alta de cerca de 0,50 por cento no final da tarde.

"O processo político doméstico causa alguma apreensão e pode amplificar (a reação do mercado a) alguma decisão diferente do Fed amanhã", afirmou o diretor da mesa de câmbio da corretora Multi-Money, Durval Correa.

O mercado acredita amplamente que o banco central norte-americano vai aumentar a taxa de juros pela primeira vez este ano no encontro que termina no dia seguinte. O que gerava expectativa nos investidores era a sinalização que o Fed dará para os próximos passos daqui para a frente.

De modo geral, espera-se três altas de juros este ano pelo Fed e, qualquer sinal de que pode ser mais agressivo no aperto monetário, pode levar a novo ajuste no câmbio.

O Fed divulga sua decisão nesta quarta-feira as 15:00 (horário de Brasília), com entrevista coletiva da chair Janet Yellen em seguida.

No exterior, o dólar subia ante uma cesta de moedas influenciado não só pela expectativa pelo Fed como também pelos riscos políticos das eleições holandesas e francesas, além da saída da Grã-Bretanha da União Europeia (UE) pesando sobre as moedas europeias.

O dólar também tinha alta ante os pesos chileno e mexicano.

Juros mais altos nos Estados Unidos podem atrair para a maior economia do mundo recursos aplicados em outros mercados financeiros, como o brasileiro.

Internamente, o mercado continuou cauteloso por conta da lista de Janot, que pode afetar importantes figuras políticas da base e do próprio governo do presidente Michel Temer. O temor é de que esse cenário possa prejudicar a votação de pautas no Congresso Nacional, como a reforma da Previdência.

Durante a tarde, notícia veiculada no site da revista Veja de que a lista seria entregue nesta terça-feira ao STF, levou o dólar para a máxima do pregão, juntamente com outra matéria, do Valor PRO, de que o governo já estaria trabalhando com o adiamento da votação da reforma da Previdência.

O Banco Central continuou fora do mercado de câmbio, sem anunciar qualquer tipo de intervenção para esta sessão, por enquanto. Ainda havia no mercado expectativa sobre o que o BC fará com os swaps tradicionais que vencem em abril, equivalente a 9,711 bilhões de dólares, se fará alguma rolagem ou não.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below