Possível atraso em linhas de Belo Monte preocupa geradores, que temem pagar conta

terça-feira, 14 de março de 2017 18:19 BRT
 

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - Um possível atraso em linhas de transmissão que ligarão a hidrelétrica de Belo Monte ao sistema tem gerado tensão no mercado de energia, uma vez que muitas empresas temem ser oneradas caso a usina no Norte do país não possa produzir a toda carga, disseram à Reuters um especialista e um representante da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Isso porque as regras do setor elétrico do Brasil preveem um mecanismo para reduzir o risco de investimentos em hidrelétricas que funciona como um condomínio: usinas que não conseguem gerar tudo o que deveriam podem ter a geração compensada por outras, desde que o conjunto dos empreendimentos produza o necessário.

Prevista para ser uma das maiores hidrelétricas do mundo quando concluída, com 11,2 mil megawatts em capacidade, Belo Monte poderia desequilibrar fortemente esse sistema de mitigação de riscos, chamado Mecanismo de Realocação de Energia (MRE), caso a falta de linhas comprometesse a entrega de sua geração.

Associações que representam geradores já procuraram a Aneel para mostrar a preocupação com o tema, disse à Reuters nesta terça-feira o superintendente de regulação de geração na agência, Christiano Vieira.

"Hoje a regra prevê que quando usinas começam a motorizar as máquinas, caso de Belo Monte, ainda que haja uma limitação de transmissão, ela não é um impeditivo para liberação da operação comercial... ao conseguir a liberação, elas conseguem o direito de 'puxar' energia do MRE, e é isso que alguns agentes reclamam", explicou Vieira à Reuters.

Ele disse que os geradores alegam que as turbinas só deveriam ser liberadas para operação até o limite de capacidade de escoamento das linhas de transmissão.

Mas, segundo Vieira, a regra é antiga e amplamente conhecida pelo mercado. E a própria Norte Energia, responsável por Belo Monte, já calculava que não estaria exposta a um risco de perdas financeiras por atraso na linha ao participar do leilão no qual arrematou a concessão da usina.

"É uma discussão que está posta para o regulador... a regra foi colocada antes do empreendimento ser construído. No momento em que há uma ocorrência em que ele pode se beneficiar da regra, você vai e muda a regra?", questionou Vieira.   Continuação...