Odebrecht Transport está perto de acordo para venda de participação no Galeão para canadense PSP

terça-feira, 14 de março de 2017 18:27 BRT
 

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Odebrecht Transport deve anunciar nos próximos dias a venda de sua participação no consórcio que administra o aeroporto do Galeão (RJ) para o fundo canadense PSP Investments, afirmou uma fonte a par das negociações nesta terça-feira.

A movimentação poderá viabilizar recursos para que a concessionária RIOgaleão, integrada também pela administradora do aeroporto de Cingapura Changi, pague 4 bilhões de reais ao governo federal e mantenha direitos sobre a administração do terminal leiloado no final de 2013, disse a fonte.

No ano passado, a concessionária atrasou pagamentos devidos ao governo federal relativos à outorga de 19 bilhões de reais.

A fonte afirmou que as negociações entre Odebrecht Transport e PSP, que detém 60 por cento de participação no consórcio, "estão bem encaminhadas", mas não deu detalhes sobre valores.

"O caminho para resolver o problema da concessão é o seguinte: a Odebrecht vai vender a parte dela e assim o concessionário vai antecipar 4 bilhões", disse a fonte à Reuters. "Foram muitas negociações para se chegar a esse ponto, mas está perto de resolver... A Changi vai trazer esse 'player' de fora", acrescentou.

A PSP afirmou em comunicado à Reuters que a empresa tem como política não comentar rumores do mercado. Já a Odebrecht Transport afirmou que tem "foco nos segmentos de rodovias e mobilidade" e que "está em contato com potenciais investidores e avalia vender sua participação no RIOgaleão".

Em comunicado, a RIOgaleão afirmou que "segue em entendimento com o governo federal para encontrar uma solução definitiva para a sustentabilidade do negócio que prevê a reprogramação dos pagamentos anuais da outorga sem perdas para o governo, a reestruturação societária da concessionária e a liberação do empréstimo de longo prazo do BNDES".

Desde o agravamento da crise econômica no país, que reduziu a demanda nos aeroportos brasileiros, e do aprofundamento das investigações da operação Lava Jato, que afetou as maiores empreiteiras do país, incluindo a Odebrecht, a concessionária vem enfrentando dificuldades para honrar alguns compromissos.   Continuação...