Principais portos de grãos e açúcar do Brasil operam normalmente em dia de protestos

quarta-feira, 15 de março de 2017 14:59 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - Trabalhadores portuários realizaram manifestações contra a reforma da Previdência nesta manhã nos principais portos de escoamento de grãos e açúcar do país, mas não houve prejuízo aos embarques, disseram autoridades.

Pela manhã, sindicalistas bloquearam o acesso de veículos à cidade de Santos, onde há diversos terminais graneleiros, de açúcar e de outros produtos, mas a manifestação foi interrompida cerca de uma hora depois pela Polícia Militar, segundo a administração do porto (Codesp).

O Sindicato dos Operadores Portuários do Estado de São Paulo (Sopesp), que representa os terminais privados, disse que houve paralisação temporária de algumas categorias, mas sem prejudicar os embarques em geral.

O sindicato estimou também que pela tarde a escala de trabalhadores avulsos será "plenamente normalizada".

Em Paranaguá, manifestantes bloquearam no meio da manhã a entrada da cidade, impedindo inclusive o acesso de caminhões aos armazéns de grãos, segundo a Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa).

Segundo a Appa, contudo, os embarques de grãos estão paralisados nesta quarta-feira, devido a chuvas, que obrigam o fechamento dos porões dos navios.

Além disso, para haver esgotamento dos estoques disponíveis para embarques, seria necessária uma paralisação de mais de uma semana.

A Federação Nacional dos Estivadores disse que a mobilização da categoria tem prazo de duração de 24 horas, começando às 7:00 desta quarta-feira.

"Há manifestação em todos os portos do país. O governo está massacrando os trabalhadores", disse à Reuters o presidente da federação, Wilton Ferreira Barreto, em referência às reformas trabalhista e previdenciária.   Continuação...

 
Contêineres no porto de Santos, em São Paulo
14/09/2016
REUTERS/Fernando Donasci