Após ir abaixo de R$3,10, compradores atuam e dólar fecha em leve alta

quinta-feira, 16 de março de 2017 18:17 BRT
 

Por Claudia Violante

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar terminou a quinta-feira em alta, com fluxo comprador após a moeda norte-americana cair abaixo de 3,10 reais mais cedo ainda repercutindo a sinalização da véspera do Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, de que não haverá altas adicionas de juros neste ano além das esperadas.

Os investidores também repercutiram a volta das atuações do Banco Central no mercado e a melhora de perspectiva do rating brasileiro pela agência de classificação de risco Moody's.

O dólar avançou 0,14 por cento, a 3,1155 reais na venda, depois de ter despencando 1,83 por cento no pregão passado. O dólar futuro tinha alta de 0,30 por cento.

A moeda teve uma trajetória mais constante de baixa no início dos negócios, quando foi caindo até bater a mínima de 3,0898 reais. Neste momento, acabou atraindo compradores e, a partir disso, teve um comportamento mais errático, ao redor da estabilidade.

"Muitos profissionais enxergaram oportunidade de recompor suas posições, ficou atrativo. Mercado já viu duas ou três vezes esse movimento acontecer na casa dos 3,10 reais", comentou o operador da Spinelli José Carlos Amado.

Esse nível é de certa forma um piso informal do mercado e preços abaixo dele ficam interessantes para os investidores que querem comprar moeda. Apesar da recuperação até o fechamento, o mercado via a continuidade da tendência de baixa.

"O dólar tem algumas razões para cair: Fed, Moody's e rolagem do swap", citou o diretor de operações da corretora Mirae Asset, Pablo Spyer.

Na véspera, o Fed elevou os juros pela segunda vez em três meses, para a faixa entre 0,75 e 1 por cento, movimento amplamente esperado e impulsionado pelo crescimento econômico estável. Entretanto, não indicou qualquer plano de acelerar o ritmo do aperto, reforçando a visão de mais duas altas neste ano.   Continuação...

 
Pacote de notas de cinco dólares dos Estados Unidos
26/03/2015
REUTERS/Gary Cameron/File Photo