Sindicato confia na Justiça para manter bloqueio à venda da BR Distribuidora

quinta-feira, 16 de março de 2017 19:55 BRT
 

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O Sindicato dos Petroleiros Alagoas Sergipe (Sindipetro-AL/SE) confia que as ações movidas contra a venda de ativos da Petrobras, incluindo a BR Distribuidora, estão bem fundamentadas e poderão impedir desinvestimentos, apesar de liberação feita pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

Na quarta-feira, o TCU revogou com ressalvas uma medida cautelar que suspendia a venda de ativos da Petrobras, mas obrigou a maior parte dos processos, inclusive o da BR Distribuidora, a voltar à estaca zero.

Entretanto, a advogada responsável pelas ações do Sindipetro-AL/SE, que é filiado à Federação Nacional dos Petroleiros (FNP), Raquel de Oliveira Sousa, frisou que as ações na Justiça permanecem em vigor.

"A BR Distribuidora continua impedida de ser vendida... A decisão do TCU não se sobrepõe a decisões judiciais", afirmou Raquel Souza à Reuters, nesta quinta-feira.

Segundo Raquel, além da BR, estão impedidos atualmente, por meio dessas ações judiciais, os processos de venda dos campos de Baúna e Tartaruga Verde e de campos terrestres no Ceará, Rio Grande do Norte, Sergipe, Bahia e Espírito Santo.

Em dezembro, ao suspender as vendas de ativos da empresa, o TCU informou discordar da sistemática de desinvestimentos que estava sendo empregada.

Em sua nova decisão, o TCU informou que o plano de desinvestimentos da Petrobras agora será feito de forma mais transparente, com uma nova sistemática já aprovada pela diretoria da empresa em janeiro.

Contudo, nem o TCU nem a Petrobras informaram em detalhes qual seria essa nova sistemática.   Continuação...