Bahia colhe sua melhor safra de soja e ajuda Brasil a superar 110 mi t

segunda-feira, 20 de março de 2017 16:28 BRT
 

Por Roberto Samora

BARREIRAS, Bahia (Reuters) - O clima está desanuviado em Barreiras, um dos tradicionais municípios agrícolas do oeste da Bahia, o principal Estado produtor de soja do Nordeste. Mas não no sentido da falta de nuvens, ao contrário.

Com a safra encaminhada, agricultores estão mais tranquilos diante da boa frequência das chuvas, enquanto as colheitadeiras começam a rodar pelos campos da Bahia, um Estado menor na produção em relação a outros do centro-sul, mas com elevado potencial de crescimento, que poderia perder ímpeto no caso de uma nova frustração climática.

O tempo tem sido bastante favorável na região, a exemplo do que acontece em outras parte do Brasil com colheita já mais avançada, o que deverá colaborar para elevar a produção nacional para um recorde de mais de 110 milhões de toneladas, de acordo com especialistas da expedição técnica Rally da Safra, organizada pela Agroconsult.

Depois de vários anos de colheitas abaixo de suas melhores médias por hectare, a região de áreas extensas e grande escala de alta tecnologia agrícola --integrante do Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia)-- caminha para ter sua melhor temporada da história, trazendo novo ânimo para muitos agricultores assolados pela seca.

As condições climáticas em geral favoráveis --com o registro de curtos períodos de seca no início do ciclo-- estão mais do que compensando uma redução de investimentos em fertilizantes e outros insumos, na esteira de grandes perdas em anos anteriores e da crise econômica.

"O produtor está usando a poupança do solo", disse à Reuters João Carlos Jacobsen, um dos agricultores pioneiros de Barreiras.

Ele se referiu à redução de gastos com adubos, adotada por muitos na safra 2016/17.

"E mesmo assim este ano houve aumento de produtividade. Estamos com a expectativa de colher a melhor safra de soja do oeste da Bahia", acrescentou ele, lembrando que o clima benéfico também propiciou uma redução de aplicação de defensivos.   Continuação...