IPCA-15 desacelera alta a 0,15% em março, menor nível em mais de dois anos e meio

quarta-feira, 22 de março de 2017 09:47 BRT
 

Por Camila Moreira

SÃO PAULO (Reuters) - A prévia da inflação oficial voltou a desacelerar em março diante do alívio nos preços de educação e deflação em alimentos, marcando a menor alta mensal em mais de dois anos e meio e que pavimenta ainda mais o espaço para o Banco Central fazer cortes maiores nos juros.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) teve alta de 0,15 por cento em março, depois de avançar 0,54 por cento em fevereiro, menor variação mensal desde agosto de 2014 (+0,14 por cento), informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira.

Nos 12 meses até março, a alta do IPCA-15 chegou a 4,73 por cento, desacelerando sobre os 5,02 por cento do mês anterior e ainda mais próximo do centro da meta oficial de 4,5 por cento pelo IPCA, com tolerância de 1,5 ponto percentual.

Os resultados vieram em linha com as expectativas em pesquisa da Reuters.[nL2N1GX0ED]

Depois de pressionar o índice em fevereiro, o grupo que mais influenciou o resultado deste mês, segundo o IBGE, foi Educação, devolvendo parte dos avanços sazonais de início de ano. Os preços subiram 0,87 por cento em março, após 5,17 por cento no mês anterior.

Os preços dos alimentos, que têm importante peso no bolso do consumidor, recuaram 0,08 por cento, favorecidos pelas quedas em feijão-carioca (-10,36 por cento), feijão-preto (-8,27 por cento), frango inteiro (-2,39 por cento) e carnes (-1,31 por cento).

Também Transportes ajudou no alívio da inflação neste mês, com queda de 0,16 por cento contra avanço de 0,66 por cento em fevereiro, devido principalmente ao recuo de 1,34 por cento nos preços de combustíveis.

A inflação de serviços, que vem sendo observada de perto pelo BC para a condução da política monetária, desacelerou com força a 0,25 por cento neste mês, sobre 1,01 por cento em fevereiro, também como resultado dos preços de educação, segundo o estrategista-chefe do banco Mizuho, Luciano Rostagno.   Continuação...