Ministro da Agricultura diz que PF investiga conduta de fiscais e não qualidade da carne

quinta-feira, 23 de março de 2017 16:37 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, voltou a garantir nesta quinta-feira a qualidade da carne brasileira, afirmando que houve exageros na comunicação feita pela Polícia Federal sobre as investigações da operação Carne Fraca.

"A questão sanitária não está em jogo", afirmou o ministro em teleconferência com jornalistas estrangeiros, classificando como um "absurdo" algumas das informações na apresentação das investigações da Carne Fraca na última sexta-feira.

Ele citou, por exemplo, o relato pela PF de que alguns produtos autorizados pelo Brasil poderiam até causar câncer. "A forma da comunicação criou todo esse problema que estamos vivendo hoje."

Em operação lançada na última sexta-feira, a PF mobilizou agentes para desarticular uma organização criminosa envolvendo fiscais agropecuários e dezenas de empresas, com as investigações apontando fraudes na fiscalização sanitária.

Desde então, importantes mercados consumidores de carne brasileira decidiram suspender a importação de produtos, incluindo China e Hong Kong.

Questionado sobre a Rússia não ter anunciado nenhum embargo, o ministro afirmou que tal comportamento é o que o Brasil espera de outros países também, destacando que esses importadores realizam suas próprias inspeções sobre a qualidade dos produtos.

Maggi disse que há cerca de cinco mil contêineres com carne em navios em direção a mercados no exterior. Segundo eles, aqueles que tiverem produtos de alguma das 21 plantas sob investigação na operação da PF serão devolvidos ao Brasil. Mas ressaltou que a "imensa maioria" não era dessas unidades.

O governo espera normalizar o quanto antes as exportações de carnes do Brasil, a fim de reduzir os efeitos sobre a cadeia de produção do setor, que é bastante longa, ressaltou.

Maggi disse ter certeza absoluta de que os produtos brasileiros na cadeia de consumo não foram contaminados e reiterou diversas vezes na teleconferência que se trata de uma investigação sobre a conduta de pessoas, de 33 servidores em um universo de mais de 2 mil fiscais sanitários.   Continuação...

 
O ministro da Agricultura do Brasil, Blairo Maggi, durante visita técnica a unidade da JBS em Lapa, no Paraná
21/03/2017
REUTERS/Ueslei Marcelino