China reabre mercado para carne brasileira, diz ministro da Agricultura

sábado, 25 de março de 2017 10:57 BRT
 

BRASÍLIA (Reuters) - A China reabriu o mercado para as importações de carne brasileira, afirmou neste sábado o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, após intensa mobilização do governo para a retomada dos desembaraços aduaneiros no país.

"A liberação é um esforço gigante que foi feito aqui no Brasil com as explicações, de mostrar que as investigações estavam numa direção de investigar conduta de pessoas, comportamento de pessoas, desvio de conduta das pessoas", disse Maggi à Reuters por telefone, ressalvando que a decisão ainda não foi oficializada.

Duas fontes em Pequim disseram que as alfândegas chinesas permitirão a entrada de carne brasileira, exceto produtos provenientes de uma planta de processamento que permanece suspensa. As importações brasileiras de carne já começaram a ser liberadas em Xangai, afirmou uma das fontes.

As autoridades chinesas também decidiram que a carne aprovada por qualquer um dos sete fiscais investigados na operação Carne Fraca, da Polícia Federal, não seria permitida no país, acrescentaram as fontes.

Segundo o ministro, apenas as unidades que o próprio Brasil suspendeu não poderão vender ao parceiro asiático, que foi no ano passado o maior mercado de exportação para a carne brasileira, com compras que somaram 1,75 bilhão de dólares.

Ele também confirmou que China bloqueará e recolherá os produtos cujos certificados foram assinados por técnicos investigados.

"Nós continuaremos mandando produtos, vendendo sem restrição, com a suspensão das plantas que nós mesmos decidimos aqui até que nós mostremos os nossos controles finais desse assunto com a força tarefa que estamos tendo nesse momento", afirmou o ministro.

A China divulgou uma suspensão temporária das importações de carne do Brasil na segunda-feira, após as denúncias da Polícia Federal sobre supostas propinas pagas para venda de produtos sem inspeção.

O presidente Michel Temer inclusive afirmou durante a semana que ligaria para o presidente da China, Xi Jinping, para esclarecer a situação da carne brasileira. Segundo fonte do Planalto, isso deverá ocorrer até segunda-feira.

(Por Lisandra Paraguassu e Anthony Boadle, Edição de Marcela Ayres)