26 de Março de 2017 / às 15:56 / 5 meses atrás

Opep e países de fora do grupo podem prorrogar corte de produção de petróleo por seis meses 

KUWAIT (Reuters) - Um comitê conjunto de ministros da Opep e de produtores de petróleo de fora do grupo concordaram em avaliar se um pacto global para limitar a oferta de petróleo deve ser prorrogado por seis meses, disse o comitê em comunicado neste domingo.

Um rascunho do comunicado afirmava mais cedo que o Comitê "reporta altos níveis de concordância e recomenda uma extensão de seis meses".

O comunicado final, no entanto, diz apenas que o comitê pediu um grupo técnico e para que o secretariado da Opep "revejam as condições do mercado de petróleo e revertam... em abril de 2017 sobre a extensão dos ajustes de produção voluntários".

Não ficou imediatamente claro porque as palavras foram alteradas, ainda que uma fonte sênior da indústria tenha dito que o comitê não possui mandato legal para recomendar uma extensão.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e nações produtoras rivais se encontraram no Kuwait para avaliar o progresso de seu pacto global para reduzir a oferta.

A Opep e outros 11 produtores incluindo a Rússia concordaram em dezembro em reduzir sua produção combinada em quase 1,8 milhão de barris por dia (bpd) no primeiro semestre do ano.

O acordo original deveria durar seis meses, com a possibilidade de uma extensão de mais seis meses.

"Qualquer país tem a liberdade de dizer se apoia ou não (a extensão). A não ser que tenhamos concordância de todos, não podemos seguir adiante com a prorrogação do acordo", disse o ministro do Petróleo do Kuwait, Essam al-Marzouq, acrescentando esperar uma decisão até o final de abril.

O comitê ministerial do petróleo "expressou sua satisfação com o progresso feito em direção à total concordância com os ajustes voluntários da produção e encorajam todos os países participantes a pressionarem para 100 por cento de conformidade", disse o comunicado.

O acordo de dezembro, que visava dar suporte ao mercado do petróleo, elevou o preço do petróleo para acima de 50 dólares o barril. Mas o aumento do preço encorajou produtores de óleo de xisto dos EUA, que não fazem parte do pacto, a impulsionar a produção.

(Reportagem de Rania El Gamal, Vladimir Soldatkin, Ahmed Hagagy; Reportagem adicional de Christopher Johnson em Londres)

((Tradução Redação São Paulo, +5511 56447719))

REUTERS RBS

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below