Embargos em Hong Kong e Catar ainda preocupam exportadores de carnes

segunda-feira, 27 de março de 2017 17:38 BRT
 

Por Gustavo Bonato

SÃO PAULO (Reuters) - Os embargos temporários impostos por Hong Kong e Catar às carnes brasileiras são os principais problemas enfrentados neste momento por exportadores de aves e suínos do Brasil, disse nesta segunda-feira a associação que representa as indústrias, 10 dias após a deflagração da Operação Carne Fraca, da Polícia Federal.

"O que nos deixa ainda aflitos, e onde a gente espera que aconteça um entendimento em breve, é em Hong Kong e Catar. São dois grandes compradores", disse à Reuters o presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal, Francisco Turra.

Hong Kong sozinho representou 1,6 bilhão de dólares em faturamento nas exportações de carnes do Brasil em 2016, segundo dados do governo federal.

Desde o anúncio da Polícia Federal, que encontrou irregularidades na liberação de produtos em alguns frigoríficos do país, com indícios de corrupção envolvendo fiscais agropecuários e funcionários das empresas, 35 países anunciaram algum tipo de medida preventiva.

Logo no início, restrições amplas impostas por China e Hong Kong, principais compradores das proteínas brasileiras, foram as que mais impactaram o setor, junto com cortes parciais pela União Europeia e outros importantes mercados como Japão e Arábia Saudita.

No fim de semana, os empresários comemoraram o recuo da China e do Egito, após fortes negociações feitas pelo governo brasileiro e por entidades do setor.

"Nesse momento estou bem mais aliviado. Está contando muito o fato do Brasil ter demonstrado historicamente uma boa condição sanitária. Nunca teve gripe aviária e pestes suínas", disse Turra, referindo-se às notícias mais recentes.

União Europeia, Japão, Arábia Saudita e Emirados Árabes são exemplos de países que proibiram a entrada de carnes apenas de unidades envolvidas na investigação da Polícia Federal, que representam uma pequena fração do total de abatedouros no país habilitados para exportar.   Continuação...

 
Agentes da Vigilância Sanitária recolhem carnes para análise em laboratório em supermercado no Rio de Janeiro
20/03/2017
REUTERS/Ricardo Moraes