Indústria de carne mantém previsão de exportação para 2017 após suspensão de embargos

terça-feira, 28 de março de 2017 19:02 BRT
 

Por Roberto Samora

SÃO PAULO (Reuters) - As exportações de carne bovina do Brasil sofreram fortemente em março efeitos da eclosão da operação Carne Fraca, da Polícia Federal, mas a rápida suspensão de embargos pelos principais importadores sinaliza que os embarques previstos para 2017 não serão afetados, afirmou nesta terça-feira o presidente da associação que representa o setor (Abiec), Antonio Camardelli.

Entretanto, muitos processos para abertura de novos mercados à carne do Brasil, líder global na exportação, deverão ser impactados, acrescentou ele.

"Volume e receita talvez não modifique, mas em relação ao processo de imagem e o que tínhamos galgado em relação a novos mercados, tínhamos várias negociações andamento... Dificulta um pouco a abertura de novos mercados, como Coreia do Sul, Japão e Taiwan", disse Camardelli à Reuters.

A Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec) estima que exportações de carne bovina do Brasil deverão crescer cerca de 7 por cento em 2017 para 1,5 milhão de toneladas. Em faturamento, a previsão para este ano é de 6 bilhões de dólares, ante 5,5 bilhões em 2016.

Entre os principais exportadores de carne bovina do Brasil estão empresas como JBS, Marfrig e Minerva.

A declaração de Camardelli ocorreu após Hong Kong, um dos maiores importadores de carnes do Brasil, ter anunciado nesta terça-feira a suspensão de embargos ao produto brasileiro.

Juntamente com a China, que suspendeu a proibição no último sábado, Hong Kong comprou quase um terço dos 14 bilhões de dólares em exportações de carnes (bovina, suína e de frango) realizadas pelo Brasil no ano passado.

Segundo Camardelli, as exportações caíram mais de 40 por cento em receita e volume na semana de 20 a 26 de março, ante o período anterior, como consequência de embargos declarados por consequência da operação da PF que investiga pagamentos de propinas a fiscais agropecuários da indústria de carnes.   Continuação...

 
Agentes da Vigilância Sanitária recolhem carnes em supermercado do Rio de Janeiro para análise em laboratório
20/03/2017
REUTERS/Ricardo Moraes