Atividade econômica inicia 2017 com contração maior que a esperada, aponta BC

sexta-feira, 31 de março de 2017 18:59 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A atividade econômica do Brasil iniciou 2017 com um ritmo maior de contração do que o esperado, segundo dados do Banco Central divulgados nesta sexta-feira, em um sinal de que recuperação da economia após dois anos de recessão ainda enfrenta obstáculos.

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), espécie de sinalizador do Produto Interno Bruto (PIB), recuou 0,26 por cento em janeiro na comparação com dezembro, em dado dessazonalizado.

No último mês do ano passado, o IBC-Br havia apresentado queda de 0,32 por cento na comparação mensal, de acordo com dados revisados pelo BC após queda de 0,26 por cento divulgada anteriormente.

A leitura, a sétima negativa em sequência, foi pior do que a expectativa de queda de 0,10 por cento no mês em pesquisa da Reuters, na mediana das projeções.

Na comparação com mesmo mês de 2016, o IBC-Br caiu 2,53 por cento. No acumulado em 12 meses, houve queda de 4,40 por cento, sempre em números dessazonalizados.

O resultado do IBC-Br reflete leituras fracas sobre a atividade econômica no início do ano. Em janeiro, a produção da indústria teve recuo de 0,1 por cento em relação ao mês anterior, ainda que num resultado melhor do que o esperado.

Já as vendas no varejo surpreenderam e caíram 0,7 por cento em janeiro, contra expectativa de alta, enquanto o volume de vendas no setor de serviços recuou 2,2 por cento.

A economia brasileira aprofundou a crise e encolheu 0,9 por cento no último trimestre de 2016, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No ano como um todo, a retração foi de 3,6 por cento, marcando a recessão mais longa do Brasil.

Com a inflação desacelerando e a retomada econômica em ritmo lento, o cenário permanece propício para o BC intensificar o corte da taxa básica de juros, atualmente em 12,25 por cento após redução total de 2 pontos percentuais.   Continuação...

 
Carro é fabricado em linha de montagem da Ford, em São Bernardo do Campo (SP)
13/08/2013
REUTERS/Nacho Doce