PIB do agronegócio sobe 4,48% em 2016 com força do setor agrícola, diz Cepea/CNA

sexta-feira, 31 de março de 2017 13:53 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - O Produto Interno Bruto do agronegócio brasileiro acumulou crescimento de 4,48 por cento em 2016, sustentado principalmente pelos preços mais altos dos produtos agrícolas, apontou nesta sexta-feira estudo do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, em parceria com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

O PIB do ramo agrícola cresceu 5,77 por cento entre janeiro e dezembro, seguido pelo pecuário, com elevação de 1,72 por cento.

O resultado geral ficou acima da expectativa do setor. Em dezembro, a CNA havia projetado que o PIB do agronegócio subiria entre 2,5 e 3 por cento em 2016.

"A valorização real acumulada de preços contribuiu para sustentar a alta no acumulado do ano, uma vez que, em volume, o cenário seguiu em baixa para importantes atividades do agronegócio brasileiro", informou o Cepea em nota.

O ano passado foi marcado por severas quebras de safra, especialmente do milho, cujas lavouras foram atingidas pela seca. O tempo adverso também frustrou as expectativas para a safra de soja, que em 2016, pela primeira vez em quatro anos, não bateu recorde.

No ramo agrícola, acrescentou o Cepea, destacou-se em 2016 o desempenho do segmento primário, que acumulou alta de 10,12 por cento frente a 2015.

Segundo os pesquisadores, as maiores elevações de preços foram verificadas para mandioca, milho, laranja, feijão e banana.

Para o segmento primário da pecuária, enquanto o cenário da avicultura seguiu positivo, o da bovinocultura de corte pressionou o desempenho.

"Isso reflete, em certa medida, a substituição do consumo de proteínas mais caras pelas de menor valor. A atividade leiteira, por sua vez, foi marcada pelos altos patamares de preços em 2016, impulsionados pela baixa oferta do produto."   Continuação...