March 31, 2017 / 8:19 PM / 4 months ago

Conta de luz volta a ter bandeira vermelha em abril após 13 meses

3 Min, DE LEITURA

Linha de transmissão no Estado do Pará 30/03/2010Paulo Santos

SÃO PAULO (Reuters) - A bandeira tarifária vermelha voltará às contas de luz em abril, após 13 meses sem o mecanismo que eleva os custos da energia com o objetivo de sinalizar aos consumidores a menor oferta no sistema elétrico, informou nesta sexta-feira a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

A bandeira vermelha em primeiro patamar, que não era acionada desde fevereiro de 2016, gera cobrança adicional de 3 reais a cada 100 kilowatts-hora, o que representa impacto de cerca de 20 por cento nas tarifas, segundo o especialista do Instituto Ilumina, Roberto Pereira D'Araújo, que vê o mecanismo como um "disfarce" para a elevação nos custos.

A mudança no patamar da bandeira, que em março foi amarela, é reflexo de chuvas abaixo da média histórica entre novembro e março, período chuvoso do Brasil, e de previsões pessimistas para as precipitações em abril.

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) apontou nesta sexta-feira expectativa de que as chuvas em abril atinjam apenas 68 por cento da média histórica na região das hidrelétricas do Sudeste, que concentra a maior parte dos reservatórios.

Com as chuvas ruins, as usinas hídricas não têm conseguido recuperar o nível de armazenamento em seus lagos, o que reduz de maneira conjuntural a oferta de energia e leva ao uso de termelétricas, mais caras, para atender à demanda.

A Reuters publicou na sexta-feira passada que especialistas já viam forte chance de bandeira vermelha em abril e em parte do segundo semestre do ano, devido às chuvas fracas entre novembro e março.

Com a hidrologia desfavorável, deverá haver menor geração nas hidrelétricas em 2017, o que deverá gerar também fortes impactos financeiros no mercado de eletricidade como um todo, incluindo menor receita para hidrelétricas e maiores custos para consumidores.

A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) estimou na véspera que a menor geração hídrica deverá gerar um impacto financeiro de 20,9 bilhões de reais no mercado de energia, devido à necessidade de compra de energia mais cara de outras fontes.

Por Luciano Costa

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below